Conecte conosco

Deu na Veneta

O QUE ESPERAR DO EMBATE ENTRE DINHA E RUI COSTA DEPOIS DOS QUE ACONTECEU ONTEM?

Publicado

em

Simões Filho tá Mudando

A sete meses das eleições para governador, presidente, deputados estaduais, federais e senadores, o que não nos falta são incertezas. E elas começam pelos nomes que disputarão tais cargos.

Na Bahia, só um nome está confirmado até o momento, para disputar o governo do estado, trata-se exatamente do atual Governador Rui Costa que irá disputar reeleição.

Há a expectativa de que o atual prefeito de Salvador, ACM Neto, líder do Prefeito Dinha, finalmente declare que irá para a disputa com Rui Costa, mas até aqui, nada definido.

Sendo assim, nos perguntamos o que esperam agora, todas as pessoas que foram protestar durante o Ato Administrativo de assinatura da Ordem de Serviços para a implantação da Policlínica em Simões Filho?

Antes de responder, vamos a algumas observações:

É fato que há dívidas do Governo do Estado para com a cidade.

Mas é fato também que Rui Costa está em seu primeiro mandato e ao longo desses anos vem colecionando elogios que relatam, na sua maioria, a superação de expectativas quanto à sua capacidade administrativa de governar o estado.

Dinha também está em seu primeiro mandato e também vem colecionando elogios sobre sua forma de administrar o município.

ACM Neto é outro que vem ouvindo elogios sobre sua administração. A diferença é que Neto já está em seu segundo mandato e, caso decida disputar o governo do estado com Rui Costa, estará correndo o risco de ser derrotado ou de sair vitorioso, mas antes teria que renunciar ao mandato de prefeito.

Esse não é um jogo disputado por amadores. Todas as decisões são tomadas, levando em conta uma série de indicativos que permitem elevar ou diminuir o valor das apostas.

Há quem aposte todas as suas fichas na reeleição de Rui Costa. Quem decide dessa forma, tem uma visão mais aguçada do que acontece não apenas ao seu redor, mas no Estado com um todo.

Há quem aposte que ACM Neto será o grande vitorioso do estado. Quem pensa assim, entende que o que acontece longe da capital, são situações favoráveis ao pequeno herdeiro do clã Magalhães.

Diz o dito popular, que prudência e canja de galinha não fazem mal a ninguém.

Voltado ao Ato Político de ontem.

Antes da chegada das principais autoridades no evento, o Governador Rui Costa e o prefeito Dinha, faixas foram colocadas pelo vereador Laecio Valentim, em agradecimento pelo empreendimento que seria autorizado minutos à frente.

Outras pessoas decidiram também estender faixas com reinvindicações e cobranças ao governador, nada mais democrático e justo.

No entanto, alguns assessores dos dois grupos, começaram a se desentender e as faixas em agradecimento ao governador foram rasgadas, nada mais antidemocrático.

Após esse “esquenta” chegam os dois principais personagens. A cena lembrava a entrada de dois lutadores de MMA em um ringue.

Mas entre os dois, a cortesia e o respeito foi a linha adotada.

No palanque armado, sentaram-se lado a lado, o prefeito Dinha, o Senador Otto Alencar, o governador Rui Costa e o ex-prefeito Eduardo Alencar, cena histórica

Diante deles, fora do tablado, algumas pessoas ávidas para mostrar fidelidade a seus líderes, se comportavam com demonstração de revolta, gritando, vaiando e aplaudindo quando lhes era conveniente.

Chega a hora de ouvir os dois, e foi aí que uma grande oportunidade foi desperdiçada.

Após as falas de alguns deputados e o senador Otto Alencar, veio a vez do prefeito Dinha, que como um maestro, levou a maioria dos presentes a sonoros aplausos e palavras de ordem em defesa de Simões Filho e de seu povo. O prefeito falou o quanto quis e tirou da garganta o que lhe engasgava.

No seu desabafo, cobranças de promessas feitas e ainda não cumpridas: mercado municipal, faculdade, rodoviária, saneamento básico, segurança…

Rui Costa ouviu e viu tudo, junto com os demais e eram muitos demais…

Vários prefeitos de outras cidades que logo mais receberiam das mãos do governador as chaves de ambulâncias e ônibus escolares para suas cidades fruto de recursos federais assinados ainda no governo Dilma Rousseff, como lembrou bem o governador.

Chegada a vez do governador falar, e atendendo ao protocolo, Rui Costa cumprimentou a todos nominalmente e logo após, começou a explicar a razão da sua visita e esclarecer questionamentos.

Obviamente o respeito e cordialidade pedida e pregada pelo governador e principalmente pelo prefeito Dinha, não teve resposta prática e o que se viu a partir de então foi um festival de hostilidades gravadas em vídeos por dezenas de celulares e câmeras dos vários veículos de imprensa presentes no evento.

As pessoas fizeram de um Ato Administrativo um ato de desgravo. Talvez com um objetivo de criar uma imagem negativa do governador visando ajudar indiretamente o seu possível adversário na disputa eleitoral, ACM Neto.

Tal atitude fez com que o governador Rui Costa, não se comprometesse com novas realizações estruturais para o município, devo lembrar que a promessa de entrega de Unidades Básicas de Saúde (UBS), não é obra estruturante.

Se o governador não se comprometeu com novos investimentos, logo não teremos o que cobrar.

Entenderam? Tai a oportunidade perdida.

Resta saber se essa estratégia teve o efeito esperado.

Desde a fatídica manhã de ontem, 12 de março, o Governador Rui Costa tem dado declarações sobre o fato, em diversas rádios e entrevistas por onde tem passado e todas elas dão a entender que, se Dinha queria a atenção do governador, ele agora tem, mas com o detalhe de que agora, essa atenção será daquele que, provavelmente, passou a ser o seu maior inimigo político.

Então cabe perguntar: o que esperar a partir de agora?

Se Rui Costa for reeleito?

Se Neto for o novo governador eleito, em quanto tempo realizará obras estruturantes em Simões Filho?

E se…

Ouvi certa vez um ditado que dizia: se é pior do lepra.

Mais uma vez, o tempo é o senhor de tudo. Só ele nos mostrará as consequências do tudo que aconteceu ontem.

Jornalista DRT/MTB nº 4584/BA - Atualmente é editor dos sites Tudo é política e Página Simões Filho. Tem formação em contabilidade e experiência como Instrutor profissional nas áreas de designer gráfico e programação para web.

Continuar Lendo
P U B L I C I D A D E

CIDADES

OPINIÃO: VEREADORES, OU VOCÊS MORDEM, OU VOCÊS ASSOPRAM, PONTO.

Publicado

em

Simões Filho tá Mudando

Não dá para falar mal de secretários e em seguida parabenizar o prefeito.

É provável que se um eleitor perguntar a alguns vereadores, quantas secretarias tem a atual gestão, eles pedirão um tempo para tentar contar, mentalmente, para responder; se perguntar pelos nomes dos secretários, então…

Os discursos desalinhados e fora de sintonia com a gestão estão descortinando uma situação que deverá fazer com que o prefeito seja forçado a tomar decisões drásticas, antes que os prejuízos políticos se tornem concretos.

A tática usada de, depois de duras críticas aos secretários, tecer longos elogios ao prefeito, não está tendo o efeito esperado pelos desatentos edis, uma vez que não há como dizer que a gestão está bem, mas os secretários não trabalham, é no mínimo, incoerente.

Outro ponto que deve ser observado pelos destrutivos aliados, é a falta de clareza nas reclamações. Não dá para criticar a produtividade de secretários de forma abstrata, sem apontar as falhas detectadas.

É preciso dar nomes.

Ou dá os nomes, ou todo o secretariado será visto como alvo das críticas, como incompetentes, improdutivos, preguiçosos.

“Jogar para a galera” com o discurso de que secretário de fora não pode ser nomeado e receber o dinheiro do município sem trabalhar, cria um constrangimento gigantesco para o prefeito, pois é preciso lembrar que esse discurso já não cabe, e se assim continuarem, o preço político poderá ser alto.

O que os eleitores têm presenciado nas últimas sessões, são verdadeiras peças de teatro do absurdo, onde alguns vereadores, passam a criticar, duramente, secretários, mas ressalvam com parabéns ao prefeito e aos seus secretários. Não dá para entender! A conta não bate.

Talvez, o que esteja acontecendo é o desnudar da mais dura realidade quanto ao despreparo de alguns sentados e assentados, para assumir uma cadeira no parlamento municipal para representar o povo.

Ouve-se nas rodas de conversas, comentários sobre a qualidade do legislativo atual, no que diz respeito à representatividade popular e de grupo político. Quase sempre esses comentários refletem desânimo e decepção.

Muitos desses comentários projetam prováveis problemas que o prefeito Diógenes Tolentino – DINHA, irá enfrentar, nos próximos meses, por conta da falta de noção e traquejo político, principalmente, para tecer comentários sobre a produtividade dos secretários da gestão do prefeito DINHA, os quais foram escolhidos a dedo, para compor seu corpo administrativo, com base em seus currículos e suas histórias profissionais.

Cabe aqui uma reflexão: se os secretários, com seus currículos e suas experiências, tivessem uma única sessão para falar dos desempenhos dos vereadores, o que ouviriam os eleitores?…

Não se pode generalizar críticas e não citar nomes por medo, jogando para população o trabalho de identificar quem são os alvos das críticas parlamentares.

Os resultados de uma boa gestão, são alcançados por uma equipe, onde o gestor [prefeito] é o líder e seus secretários, são seus representantes imediatos, executando ações e ordens sob a decisão e o aval do seu líder, do seu chefe, o prefeito. Ou seja, se o desatento edil critica o secretário, vociferando palavras que encantam a plateia, ele deve entender que está criticando indiretamente, o prefeito, vociferando e jogando para a galera.

Acreditem, parabenizar o prefeito, depois da descarga puxada, não cola.

O prefeito DINHA certamente já ouviu o ditado que diz que quem acompanha morcego, pode acordar de cabeça para baixo.

Um olhar mais apurado poderá revelar que a oposição ao prefeito está sendo feita por alguns, estupidamente declarados, aliados, e quem tem aliados assim, não precisa de oposição.

Por isso, vereador, ou você morde, ou você assopra.

Em tempo;

Acredita-se que expressão MORDE E ASSOPRA, tenha surgido a partir da observação feita sobre o comportamento dos morcegos.

Os morcegos são conhecidos por sugarem o sangue de suas vítimas, sem que estas percebam.

Na tentativa de explica este fato, antigamente as pessoas alegavam que o morcego assoprava a ferida feita nas suas presas para poder aliviar a dor.

MORDE E ASSOPRA é uma expressão popular utilizada para se referir ao comportamento de uma pessoa hipócrita e falsa, que age de modo incorreto e depois muda a sua atitude, repentinamente.

Quando se diz que determinado indivíduo “morde e assopra” significa que magoa os outros, com atos ofensivos, mas depois começa a querer agradar a pessoa anteriormente ofendida, pedindo desculpas e agindo como se nenhuma situação desagradável tivesse acontecido.

Ao que está sendo notado, diga-se de passagem, em ano eleitoral, alguns aliados do prefeito Dinha, não câmara de vereadores, estão se comportando como verdadeiros morcegos.

A melhor forma de se combater morcego, é com uma boa dedetização.

O atento navegante pode estar perguntando porque razão na citei os nomes dos críticos vereadores, a resposta é simples, para que eles entendam que uma crítica genérica atinge a todos.

Continuar Lendo

Colunistas

CENSURA: VEREADORES SIMÕESFILHENSES NÃO QUEREM QUE O POVO FALE

Publicado

em

Simões Filho tá Mudando

Se o atento navegante duvida que já não estamos mais vivendo uma democracia, melhor rever seus conceitos.

Na noite de ontem, terça-feira (13), na Câmara Municipal, a casa do povo, aconteceu um explicito ato de censura à voz do população.

Conforme aconteceu na câmara de Salvador, onde um vereador do DEM, o excelentíssimo Sr Alexandre Aleluia, propôs a intimação de um professor da UFBA para que o mesmo preste esclarecimentos sobre uma matéria que trata do “Golpe de 2016”, a maioria dos vereadores simõesfilhenses impediram o povo de expressar, na tribuna, por cinco minutos, seu posicionamento contrário ao projeto que instituiu o 13º para vereadores.

É necessário evidenciar a coragem do presidente de propor a fala de um representante da plateia e colocar isso em votação.

E A decisão do prefeito Diógenes Tolentino-DINHA, em solicitar do projeto, o prefeito, o vice-prefeito e os secretários de governo, como beneficiários do projeto, também foi uma atitude que respeitou a voz do povo que foi contra tal projeto.

A atitude covarde é típica das ditaduras e evidencia que precisamos discutir com mais ênfase as consequências do “Golpe de 2016”.

Justificar que o Regimento Interno orienta que o cidadão precisa se inscrever 48 horas antes para ter o direito de fala durante as sessões é, no mínimo, hilário.

O Regimento Interno foi usado como argumento para a mordaça.

O que de fato aconteceu foi a evidencia do medo de enfrentar o povo, que os excelentíssimos edis, e assim eles exigem ser chamados, têm.

Seria mais coerente dizer que não permitiram o cidadão se expressar por que, talvez, os argumentos do povo fossem tão incontestáveis, que seria constrangedor ouvi-los e depois votar a favor do projeto.

Seria mais honroso, assumir que não teriam como contra argumentar o povo, uma vez que na plateia estavam pessoas que conseguiriam provar que tal aprovação seria, como foi, um tapa na cara da sociedade.

Mas é preciso avisar que o tapa que ficou marcado foi o da censura, pois legislar em causa própria, todos fizeram, inclusive os que votaram contra o décimo terceiro, uma vez que, nos bastidores a proposta já havia sido aceita por todos.

É bom lembrar, que toda ditadura, todo resgate da democracia acontece com revolta popular e nos dias atuais essa revolta começa nas redes sociais.

A revolta já começou, abram os olhos!

Não se iludam aqueles que acham que o povo está acomodado. Na verdade, o povo não quer mais, é servir de massa de manobra como serviu nas tais “jornadas de junho de 2013” levantando patos para empresários mostrarem sua “força”.

O povo não quer mais bater panelas porque essa atitude levou ao pais a índices de 20 anos atrás e à destruição da soberania nacional por um governo ilegítimo e entreguista.

Fiquem atentos!

O povo saberá como expressar sua revolta, o povo saberá se livrar das mordaças da censura.

O povo saberá se livrar daqueles que não sabem representar o povo, daqueles que esqueceram suas origens.

Ai, veremos quem de fato são as VOSSAS EXCELÊNCIAS.

Aguardem!

Em tempo;

Os vereadores que foram a favor da fala do povo foram:

Boly Boly, Del, Sandro Moreira, Vel, Everton Paim, Laecio Valentim e Elimario Lima.

O presidente Genivaldo Lima teria o voto de desempate, mas já havia se declarado a favor da fala do povo. Vereadora Kátia não participou da sessão por estar em assistência junto com a Secretária de Ação Social aos desabrigados pela chuvas, do bairro Eucalipto.

Continuar Lendo

Colunistas

Ademário Ribeiro: Licuri e Araucária na autoformação

Publicado

em

Simões Filho tá Mudando

araucária e licuri

À você que lê este texto – desejo compartilhar algumas PensamentAções.

  • Valorize seu(s) ponto(s) de vista e o(s) aperfeiçoe a ponto de incluir (também) o(s) ponto(s) de vista do outro. Digo, da outra pessoa.
  • Valorize os conceitos e os redesenhe à medida em que outras nuances surjam. Por exemplo, inclua (também) os conceitos dos outros. Renove-os. Não se feche em conceitos – pelo contrário, evolua com eles, com tempo, com o clima, com a economia, com a poesia, com a política. Afinal a vida é feita de substâncias. Ela é processo vital, permanente e emerge daqui e dali, de mim, de você, do outro, da teia ambiental e da teia social.
  • Acredite e interaja com esse processo. Somos uma formação contínua e tudo principia em nós, na família, da teia social e nas outras teias. A vida é um feixe de formações, contudo, cria, na sua própria formação ou seja, na sua autoformação levando em conta as outras formações – a do seu meio ambiente, da sua teia cultural e dos outros processos. Afinal, o catingueiro tem muito de macambira, de fibra, lajedo, desejos de chuva, terreiro que abraça o chegante… O pantaneiro tem em sua alma muito do ciclo das águas, das capivaras, dos tuiuiús, das boiadas… Se abrir o organismo de Daniel José da Silva, um amigo, guardião e socializador de muitos saberes – tem dentro de si muito de araucária (Araucaria angustifólia, espécie arbórea dominante da floresta ombrófila mista) e, igualmente, dentro de mim há muito de licuri (Syagrus coronata é uma palmeira nativa da Mata atlântica). Nossa geografia, nossa cultura e história alimentar construíram esta realidade.
  • Somos um com nossa cultura, embora sendo dinâmica, ela vai construindo na argila de nós mesmos e dos outros nós a tessitura de encontros e desencontros pela vida afora.

Dê-me na veneta escrevinhar estas PensamentAções que também vão para outro amigo e também, como o Daniel Silva, mestre de admiráveis saberes – Crisoston Terto Vilas Boas. Complementando. Quando eu e o Daniel Silva nos conhecemos e nos Reconhecemos enquanto pessoas criadas e alimentadas pelos frutos da araucária e do Licuri -, passamos nos saudar assim:

Ele (Daniel) – Olá irmão Licuri!

Eu (Ademario) – Olá irmão araucária!

E isso é lindo! Imagine leitor(a), dois homens apaixonados pelos frutos de suas respectivas terras de nascimento. Ele, de Torres/RS-Brasil. Eu, de Miguel Calmon, sertanejo das imemoriais terras dos Payayá. Ele, Engenheiro Civil, Especialista em Hidrologia, Mestre em Sociologia e Doutor em Engenharia de Produção, atualmente ministra aulas na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) para a graduação e pós-graduação de Engenharia Sanitária e Ambiental.

Evoé, Salve, Guê, Axé, Awere, Aleluia: a palavra e o sentimento do conviver, do compartilhar!!!

De cá do meu écran, Ademario Ribeiro.

 

Fontes das fotos:

http://1.bp.blogspot.com/-aMc9ytW-to/UNs4oDViA2I/AAAAAAAAADI/7h9cmqb5ZMo/s1600/araucaria-escurecendo.jpg

Continuar Lendo
P U B L I C I D A D E
P U B L I C I D A D E

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

Copyright © 2017 Página Simões Filho