Conecte conosco

Especiais

O RACISMO NOSSO DE CADA DIA

Publicado

em

Simões Filho tá Mudando
 

Agência de Notícias das Favelas – Semana passada aconteceu um caso de racismo com um estudante de Administração da Fundação Getúlio Vargas (FGV), João Gilberto Pereira Lima, onde ele foi fotografado por outro aluno, que compartilhou a imagem em um grupo de Whattsapp com a frase “Achei esse escravo no fumódromo, quem for o dono avisa”.

Na sexta-feira (9), João prestou depoimento e o aluno foi suspenso por três meses. Veja bem. Foi uma pena bem leve, comparada a atitude racista do rapaz. Mas se o caso tivesse a mesma repercussão como foi o de William Waack, que nos bastidores do Jornal da Globo usou um comentário em sua conversa “Isso é coisa de preto”, teria uma punição mais rigorosa? Num país como o nosso, que vive um racismo implícito e até sutil, com exceção da polícia, que segue um estereótipo racista, hoje ainda é comum ver o ódio ao negro disseminado e com a liberdade que a rede social oferece. Vemos o ódio declarado em comentários de páginas de mídias e afins. Há quem diga que o racismo não exista, haja vista que o conceito de raça como divisor de classes nasceu na França pra teoria de supremacia branca que serviu pra explorar e escravizar outras raças.

O Brasil é o país que mais mata negros. O número de negros no sistema prisional é maior que a média da população de negros do país. Nas universidades, os negros representam um número inferior. Um negro e um branco em um mesmo cargo tem salários diferentes em diversas empresas. Os negros são mais presentes em cargos subalternos como no passado. A diferença é que hoje o sistema teve algumas alternâncias, porém o mecanismo opressor continua sendo aquele que do passado: quem não aceita ser explorado, acaba cometendo crime e no presídio vai ser uma mão-de-obra explorada pra ter redução na pena. Então, o racismo seria de fato vitimismo?

Entretanto, o que é mais frustrante de ver são negros oprimindo outros. Porque há aqueles que amam o opressor e banalizam o oprimido, não reconhecendo no outro a mesma classe racial ou étnica. A polícia militar do Brasil, uma das que mais matam no mundo, é uma das que mais morrem também e o corpo policial em grande parte é composto de negros, representando aquilo que um dia foi o capitão-do-mato, que afugentava o escravo que se rebelava e o castigava com tronco e pau-de-arara.

O racismo é um tema que precisa ser debatido e combatido, porque, como diz a letra do grupo de rap A286, “negros e pobres nos holofotes do cinema, ainda não nos livraram dos holofotes da polícia”. A representatividade de negros nas universidades e fora dos cargos subalternos é fundamental para que se possa diminuir a distância do abismo social em que vivemos.

Jornalista DRT/MTB nº 4584/BA - Atualmente é editor dos sites Tudo é política e Página Simões Filho. Tem formação em contabilidade e experiência como Instrutor profissional nas áreas de designer gráfico e programação para web.

P U B L I C I D A D E

Tecnologia

Instagram elimina #sextou após pornografia

Publicado

em

CCM – Hashtag foi usada por estrangeiros para disseminar imagens de nudez e sexo explícito na rede social.

Muito utilizada por brasileiros para comemorar a chegada da tão aguardada sexta-feira, véspera do final de semana, a hashtag #sextou acabou sendo utilizada por estrangeiros para disseminar imagens de nudez e sexo explícito no Instagram.

O fato ocorreu por um simples mal-entendido fonético. O que lemos em português como ‘Sextou’, em alusão à sexta-feira, lá fora fica algo como ‘Sex to u’, ou ‘Sexo para você’, em tradução livre. Pois é, e isso bastou para que a comunidade estrangeira do Instagram começasse a utilizar a hashtag para o uso sexual.

A rede social, que pertence ao Facebook, limitou a hashtag no aplicativo e ao procurar por #sextou, o usuário verá uma informação: ‘Nenhuma hashtag encontrada’. Em comunicado divulgado pelo Instagram, a companhia agradece a comunidade da rede por revelar o problema. “Agradecemos nossa comunidade por trazer o problema com a hashtag #sextou à nossa atenção. Publicações com essa hashtag foram limitadas enquanto tomamos a ação apropriada. Postar ou compartilhar conteúdo pornográfico é contra as políticas do Instagram. Pedimos a todos que usem as ferramentas dentro do aplicativo para reportar e bloquear conteúdo que acreditem violar nossas Diretrizes da Comunidade para que possamos investigar e agir rapidamente”, informa o comunicado.

As regras do Instagram e do Facebook são bem claras em relação à publicação de pornografia. Pelas diretrizes das duas plataformas, os usuários que publicarem conteúdo que infrinjam essas regras, além de terem o conteúdo delatado, podem ser excluídos da rede social. A identificação de material pornográfico é feita automaticamente, tanto que mesmo imagens de nudez consideradas artísticas podem ser banidas da rede.

Continuar Lendo

Saúde

VEREADOR DEL PROPÕE DIA MUNICIPAL DE COMBATE À DOENÇAS RENAIS

Publicado

em

Simões Filho tem um grande número de pacientes renais que, dia sim dia não, precisam passar pela tortura da hemodiálise.

Já passou da hora de se implantar um centro de hemodiálise para atender a grande demanda de pacientes do município.

Na sessão da câmara de vereadores desta terça-feira(18), o vereador Delvaldo [DEL] apresentou um projeto que cria O DIA DE PREVENÇÃO E COMBATE À DOENÇAS RENAIS.

O prjeto foi aprovado por unanimidade e de acordo com o mesmo, a data escolhida é o dia 9 de março.
Projeto será encaminhado para o executivo sanção do prefeito Dinha.

Em tempo;

A cidade baiana de Ribeira do Pombal, com cerca de 55 mil habitantes tem um centro de hemodiálise e atende pacientes de diversos municípios da região.

Continuar Lendo

Saúde

SAÚDE: PROFISSIONAL SIMÕESLILHENSE SERÁ SECRETÁRIA DE SAÚDE EM SÃO PAULO

Publicado

em

Do Tabuleiro – Depois de realizar consultorias técnicas na área de saúde em cidades do interior de São Paulo, a ex-secretária de saúde de Ilhéus, Elisângela Oliveira, foi convidada pelo prefeito de Jandira-SP, Paulo Barufi, para assumir a saúde do município.

Elisângela foi secretária em Ilhéus por pouco mais de um ano, deixando o cargo no mês de julho de 2018, e durante este período problemas como cobertura da atenção básica abaixo dos 18%; falta de atualização de dados junto ao Ministério da Saúde; bloqueio de programas, a exemplo do “Mais Médicos”; falta de habilitação do SAMU 192; “várias irregularidades oriundas do Conselho Municipal de Saúde” e licitações ‘travadas’, foram solucionados.

Os avanços foram feitos e as situações descritas foram revertidas. Além disso, a organização da habilitação de cirurgias bariátricas para Ilhéus e melhoria do fluxo depois do fechamento do Hospital Luís Viana Filho, participando do projeto da futura maternidade infantil.

A redação de O Tabuleiro apurou que Elisângela deve ser nomeada até o final deste mês.

Continuar Lendo
P U B L I C I D A D E
P U B L I C I D A D E

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

Copyright © 2017 Página Simões Filho