Conecte conosco

Eleições

PF DESMONTA TEORIA CONSPIRATÓRIA SOBRE FACADA EM BOLSONARO

Publicado

em

pf-desmonta-conspiração-da-facada-em-bolsonaro
Simões Filho tá Mudando
 

Reportagem de Rubens Valente, publicada há pouco na Folha de S. Paulo, desmonta as teorias conspiratórias em torno da facada em Jair Bolsonaro. Um trecho da reportagem:

A Polícia Federal afastou a suspeita de que Adélio Bispo de Oliveira, que no último dia 6 tentou matar o candidato Jair Bolsonaro (PSL-RJ) em Juiz de Fora (MG), tenha recebido pagamento em sua conta bancária para executar o crime.

A investigação concluiu que o dinheiro localizado com Oliveira tem apenas “origem sustentável”, como uma rescisão recente pelo trabalho em um escritório de advocacia, e remuneração pelo trabalho de garçom, pelo qual recebia cerca de R$ 70 por dia.

A PF apurou que o cartão de crédito internacional encontrado em poder de Oliveira na verdade nunca foi utilizado e foi emitido automaticamente pelo banco logo após o valor da mesma rescisão trabalhista ter sido depositado em sua conta.

Em teorias conspiratórias compartilhadas em redes sociais, o cartão também foi citado como suposta evidência de que Oliveira teria recebido dinheiro de origem suspeita.

O ex-delegado da Polícia Federal Fernando Francischini, hoje deputado federal aliado de Bolsonaro, é o que mais tem divulgado essas versões delirantes, assim como a jornalista Joyce Hasselmann, candidata a deputada federal pelo partido de Bolsonaro.

O site O Antagonista, de extrema direita, também dá vazão a essas versões fantasiosas e diz que, ao concluir o inquérito, a PF pode definir a eleição de Bolsonaro no primeiro turno.

Fez um carnaval em cima de uma informação de que Adélia tem registro de entrada na Câmara dos Deputados em agosto de 2013. A Câmara dos Deputados tem mais gente circulando diariamente do que muitas cidades médias do Brasil.

A reportagem de Rubens Valente, feita com base em fontes da PF, desmonta outros pontos da teoria da conspiração, veiculadas em posts no Facebook:

A PF também concluiu que o computador pessoal localizado com Oliveira não era recente nem caro, ao contrário do propagado em redes sociais. O aparelho era antigo e estava quebrado, tendo sido usado pela última vez no ano passado. Dos quatros telefones celulares encontrados com Oliveira, apenas dois estavam em atividade, e nenhum foi comprado nas semanas anteriores ao crime.

Segundo outra conclusão da PF, em razão dos acertos trabalhistas recentes Oliveira tinha condições financeiras próprias de pagar adiantado R$ 400 por hospedagem numa pensão em Juiz de Fora, onde ele disse que procurava emprego. Foi apreendido com Oliveira um recibo que comprova o pagamento.

Também foram investigadas todas as pessoas citadas em redes sociais como supostos cúmplices que teriam repassado a faca a Oliveira no dia do atentado. A PF descartou todas as informações, que eram falsas. Pelo menos uma mulher inocente marcada em redes sociais foi perseguida, recebeu ameaças e teve que procurar a PF para obter proteção.

A opção de Oliveira por usar uma faca para tentar matar o presidenciável pode ser explicada por outro aspecto da vida do preso levantado durante a investigação da PF.

Em um açougue em que Oliveira trabalhou em Curitiba (PR), a PF apurou que Oliveira era conhecido por manejar muito bem facas. Normalmente um novo contratado recebia um “padrinho”, responsável por tutelar o novo cortador de carnes. No caso de Oliveira, o próprio açougue dispensou o uso do “padrinho”, ao constatar que ela sabia usar as lâminas.

Oliveira também teria trabalhado como sushiman, preparador de carnes de peixe em restaurantes japoneses, o que também demanda um bom uso de facas.

(…)

O presidente do inquérito e também delegado regional de Combate ao Crime Organizado da PF de Minas Gerais, Rodrigo Morais, informou que o inquérito que trata do ato do crime em si deverá ser finalizado até a próxima sexta-feira (28), mas ao mesmo tempo será aberto um novo inquérito para investigar supostos mandantes ou pessoas que teriam instigado o crime, ainda que não exista nenhuma indicação sobre isso até o momento.

.x.x.x.x.

Com o novo inquérito, se houver, a especulação vai continuar.

DCM

Jornalista DRT/MTB nº 4584/BA - Atualmente é editor dos sites Tudo é política e Página Simões Filho. Tem formação em contabilidade e experiência como Instrutor profissional nas áreas de designer gráfico e programação para web.

Eleições

MAGNO REIS CONSOLIDA VOTOS A MARCEL MORAES E SE TORNA LIDERANÇA IMPORTANTE EM SIMÕES FILHO

Publicado

em

No último domingo (7), praticamente toda Simões Filho voltou as atenções para o resultado da votação dos candidatos Kátia Oliveira e Eduardo Alencar, ambos concorrendo ao cargo de deputado estadual e ambos eleitos.

No entanto outros candidatos foram votados na cidade, a exemplo dos irmãos Marcel Moraes e Marcele Moraes.

Marcel Moraes e sua irmã têm como base de suas ações como deputado, a causa animal.
Ações como vacinação e castração de gatos e cachorros a custo zero para seus donos têm dado retorno positivo ao deputado reeleito, uma vez que cada animal doméstico para muitos, é um ente familiar.
Em Simões Filho Marcel Moraes tem o jovem Magno Reis como integrante de sua equipe e sendo assim, as ações de atendimento animal são promovidas, exatamente, por Ele – Magno Reis – Jovem que há mito vem buscando consolidar sua imagem no cenário político local.

Magno Reis foi o principal fundador da ala jovem do DEMOCRATAS e também ocupou a posição de presidente do Partido Verde(PV) em Simões Filho.
O trabalho com a causa animal em Simões Filho vem dando retorno positivo a Marcel Moraes. Magno Reis, nos últimos três anos, promoveu atendimento a cerca de dois mil animais, o que tem criado um vínculo com os donos dos mesmos, gerando confiança e compromisso.
Essa confiança tem sido convertida em votos a Marcel Moraes, que nos últimos dos anos viu se consolidar um eleitorado fiel na cidade.

Desde que se lançou na vida pública em 2008, Marcel Moraes foi eleito vereador de salvador só em 2012, de lá para cá, passou e depois a eleição como deputado estadual com mais de trinta e cinco mil votos.
Agora em 2018, Marcel Moraes obteve, praticamente, o dobro de votos, e Magno Reis fez parte dessa conquista, conseguindo em média 600 votos em Simões Filho, para a dupla Marcel e Marcele Moraes.

Para alguns pode não ser muito, no entanto, qualquer candidato a deputado que busca votos em Simões Filho, sabe a dificuldade que é para conquistar um voto na cidade.

Conseguindo em média 600votos em Simões Filho, a cada eleição que disputa Marcel Moraes, Magno Reis consegue se firmar como uma das lideranças mais valiosas da cidade.
“Esse trabalho não vai parar por aqui.” Foi que declarou Magno Reis, ao Simões Filho on Line, durante a cobertura inédita, ao vivo, da apuração dos votos no primeiro turno, no último domingo.

Onde Magno Reis chegará?
Marcel Moraes certamente sabe do valor do seu representante em Simões Filho e certamente, irá apoiar o mesmo em sua jornada.

Continuar Lendo

Eleições

CHOCANTE! GRUPO QUE COBRAVA 50 REAIS PARA MATAR JOVENS CARENTES, TINHA O APOIO DE BOLSONARO

Publicado

em

Bolsonaro apoioou grupos de extermínio

Da Agência Sportilight – O relógio apontava 14h54 do dia 12 de agosto de 2003 quando Jair Bolsonaro, parlamentar do chamado baixo clero, então em seu quarto mandato, foi ao microfone do plenário da Câmara dos Deputados e fez veemente defesa dos crimes de extermínio. Exaltados como solução para a política de segurança a ser adotada no Rio de Janeiro.

O motivo para a apaixonada defesa era a ação de um esquadrão da morte que vinha aterrorizando a Bahia desde o início daquela década. Deu boas vindas aos foras da lei mesmo reconhecendo a ilegalidade.

Na apaixonada fala abaixo transcrita como está registrada nos anais da casa parlamentar (ver abaixo), omitiu apenas a motivação econômica que movia e razão de ser dos criminosos munidos com carteira do estado: um grande negócio travestido de combate ao crime.

“Quero dizer aos companheiros da Bahia — há pouco ouvi um Parlamentar criticar os grupos de extermínio — que enquanto o Estado não tiver coragem de adotar a pena de morte, o crime de extermínio, no meu entender, será muito bem-vindo. Se não houver espaço para ele na Bahia, pode ir para o Rio de Janeiro. Se depender de mim, terão todo o meu apoio, porque no meu Estado só as pessoas inocentes são dizimadas. Na Bahia, pelas informações que tenho — lógico que são grupos ilegais —, a marginalidade tem decrescido. Meus parabéns”!

Muitos dos criminosos parabenizados pelo parlamentar por seus feitos não tinham rosto mas os crimes tem números. No ano de 2000, foram 146 registros de mortos em ação de grupos de extermínio apenas na capital Salvador. Maioria absoluta de jovens negros e favelados. Subiu drasticamente no ano seguinte, indo para 321 assassinados por esses esquadrões da morte. Em 2002, 302 assassinatos.

Os números são da “Comissão de Direitos Humanos” da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia (Alba) daquele mesmo ano do discurso de Bolsonaro. A dimensão do genocídio gerou uma Comissão Parlamentar de Inquérito na assembleia baiana.

(…)

Autor de minucioso estudo (“Entre o vigilantismo e o empreendedorismo violento”) para mestrado em Ciências Sociais na Universidade Federal da Bahia (UFBA), com recorte nesses grupos que agiram na Bahia naqueles anos, o advogado Bruno Teixeira Bahia relata as características de tais ações e grupos. “Eram compostos, em sua maioria, por policiais e ex-policiais civis e militares, ressaltando, ainda, que em quase todos os casos as vítimas eram jovens, negros e pobres, com idade entre 14 e 26 anos e sem passagem pela polícia”, está na peça.

Os assassinatos destacados como política de segurança por Bolsonaro em sua maioria eram precedidos de tortura, de acordo com o estudo. “As vítimas, em geral, são encontradas com marcas de tiros em pontos vitais, geralmente na cabeça, nuca e ouvido. Além dos disparos, também eram levadas em consideração outras marcas deixadas nos corpos das vítimas, como mãos amarradas, sinais de tortura, tais como unhas e dentes arrancados, hematomas por todo o corpo e, às vezes, o ateamento de fogo ao cadáver”.

(…)

Entre tantos, provavelmente o mais contundente dado é comprovação das investigações e inquéritos judiciais, além da CPI, de que o extermínio organizado foi um grande comércio. De vida e morte. Em Juazeiro, interior do estado, as mortes eram encomendadas muitas vezes por comerciantes. Valores entre R$ 50 e R$ 100 pagavam um assassino de aluguel desses grupos.

(…)

 

Continuar Lendo

Eleições

ACM NETO SENDO ACM NETO, DECLARA APOIO A BOLSONARO

Publicado

em

Atordoado com a fragorosa derrota nas urnas no primeiro turno de 2018, o prefeito de Salvador ACM Neto declarou que irá apoiar o candidato a presidente Jair Bolsonaro.

O posicionamento de ACM Neto revela o oportunismo escancarado do prefeito de Salvador uma vez que, tendo  declarado apoio ao movimento das Mulheres Contra Bolsonaro, que aconteceu em várias cidades do pais, no último dia 29 de setembro, marcado pela hastag #Ele Não, deixa claro que estava apenas tentando SURFAR NA ONDA para se beneficiar politicamente.

O anuncio foi feito hoje (10) em coletiva de imprensa no hotel Golden Tulip, no Rio Vermelho, ao lado do também derrotado, José Ronaldo que disputou a vaga de governador com Rui Costa.

ACM Neto tentou diminuir o peso de apoiar um candidato que se declara favorável à tortura, contra os direitos das minorias, dos negros, direitos do trabalhador, contra a valorização da mulher no mercado de trabalho, contra o estado laico, dizendo que não concorda 100% com os posicionamentos do candidato Jair Bolsonaro.

“Quero justificar nesse momento a minha posição já fazendo ressalvas. Eu não concordo 100% com os pensamentos, bandeiras e pregações dele. A democracia não é feita de concordar com 100%. Eu discordo 100% do governo do PT no Brasil. Se estamos vivendo uma crise de natureza econômica, moral e social é graças ao PT. Ao que Dilma e o PT fizeram no nosso país”, disse ACM Neto.

O posicionamento, segundo Neto, é de coerência com um partido que sempre se opôs ao PT. “O DEM deixou claro qual sua linha de pensamento, uma posição que guarda coerência com sua história. Não tinha cabimento um partido que combateu o PT deixarmos de dizer toda nossa posição clara de que nosso campo não é o do PT”, afirmou.

ACM Neto só esqueceu de lembrar que ao lado de Aécio Neves, Geddel Vieira Lima, Eduardo Cunha, Romero Jucá e outros, apoiou o golpe contra a ex-presidente Dilma Rousseff na implantação das chamadas pautas bombas, na câmara dos deputados, levando o pais a uma situação de ingovernabilidade, mergulhando o pais numa crise sem precedentes apenas por não aceitar mais uma derrota nas urnas, nas eleições de 2014.

A decisão de Neto vai de encontro ao que disse o próprio prefeito no mês passado. Confira: 

 

Em tempo;

O apoio de ACM Neto soa como um: “Dane-se o Brasil, desde que a gente derrote o PT”

Continuar Lendo
P U B L I C I D A D E
P U B L I C I D A D E

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

Copyright © 2017 Página Simões Filho