Conecte conosco

Últimas do Dia

Trânsito brasileiro mata quase como uma guerra do Vietnã a cada ano

Publicado

em

Os conflitos no Vietnã duraram 20 anos (de 1955 a 1975). Lá, morreram 58.193 soldados americanos. O trânsito brasileiro matará 50.241 pessoas no país, apenas em 2014, levando-se em conta apenas o crescimento anual de 4% que se tem verificado nos últimos 10 anos. Ou seja, sem computar o aumento de tráfego que ocorrerá por conta da Copa do Mundo. E quanto mais tráfego, mais mortes.

Nas Copas da Alemanha (2006) e África do Sul (2010), verificou-se um aumento de aproximadamente 30% no tráfego rodoviário. Durante o Carnaval brasileiro a Polícia Rodoviária estima que o tráfego rodoviário aumenta em torno de 40%, índice que deve se repetir em 2014, no período dos jogos.
Em 2012 serão mais de 46 mil mortes, segundo cálculos feitos pelo Instituto Avante Brasil.

Em 2018 as chances de morrer no trânsito brasileiro vão superar o perigo de ter sido um soldado americano lutando no Vietnã. Era mais fácil sobreviver lá.

Segundo dados do instituto “Road Safety” da África do Sul, as obras de melhorias viárias executadas especificamente para a Copa do Mundo de 2010 causaram um aumento de 20% dos acidentes de trânsito, durante o período em que estavam sendo realizadas.

“Se extrapolarmos esta informação para a realidade brasileira e imaginarmos que, por causa dos grandes atrasos atuais nas obras de infraestrutura, a Copa do Mundo de 2014 acontecerá em um imenso canteiro de obras, podemos chegar à aterrorizante cifra de 5.148 mortes em acidentes de trânsito durante a Copa”, projeta o Instituto Avante.

Entre 2001 e 2010 houve um crescimento de 40,3% no número de mortes no trânsito brasileiro, mas o número de mortes de motociclistas cresceu 250%.

Metade dos mortos tinha entre 20 e 39 anos, estavam, portanto, na fase mais produtiva.

Comparando-se o número de mortes no Brasil e nos países da União Europeia percebe-se que, enquanto na Europa tende-se a zero (caindo de pouco mais de 30 mil por ano, hoje, para 2.500 no ano 2060), no Brasil vai-se passar, no mesmo período, de 46 mil para 313 mil mortes anuais.

A Taxa Média Anual de Redução do número de mortes da União Europeia é de, aproximadamente, 5% (calculada com base nos dados de 2000 – 2009). A Taxa Média de Crescimento do número de mortes do Brasil é de 4,06% (calculada com base nos dados de 2001 – 2010).

 

Fonte: TB

Eleições

“JUSTISSA ÇEGA” NÃO, CAOLHA

Publicado

em

justiça-cega-não-caolha

Então: se quem é réu em processo criminal não pode ficar na linha de sucessão, quem é réu em processo criminal pode concorrer ao cargo?

A pergunta é importante!

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, no dia 3 de Novembro de 2016, que réus com processos na corte não podem ocupar cargos na linha sucessória da presidência da República.

Isso é: quem é réu em processo criminal, sendo julgado pelo STF, não pode permanecer na linha de sucessão da presidência.

Para quem não sabe, o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), é réu em dois processos criminais – por incitação ao crime de estupro e por uma queixa-crime por injúria, apresentada pela deputada Maria do Rosário.

O nome disso?

INSEGURANÇA JURÍDICA.

Continuar Lendo

Eleições

DEBATE DA BAND VIROU SABATINA A RUI COSTA

Publicado

em

Em debate realizado entre os candidatos ao governo da Bahia, na noite desta quinta-feira, 16 de agosto, na Band Bahia, o atual governador Rui Costa foi o alvo principal dos demais candidatos. ouviu sobre segurança, saúde, educação.

Em certos momentos, o que deveria ser um exercício de perguntas com respostas, réplicas e treplicas entre os candidatos, virou uma verdadeira SABATINA a Rui Costa.

Resultado?

Rui, passeou.

Continuar Lendo

TEXTÍCULOS DO MÁRIO

BACELAR VAI VIRAR FIGURINHA FÁCIL EM PARADAS GAY

Publicado

em

Ele que ser o primeirão!

O deputado federal Bacelar (Podemos) foi o primeiro candidato à reeleição, pela Bahia, a assinar a Plataforma Eleições 2018 – Promoção da Cidadania LGBTI+.

O documento reúne as questões prioritárias para a garantia dos direitos e a consolidação da cidadania plena da população brasileira de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e intersexuais.

“A população LGBTI precisa de mais atenção e de uma legislação eficaz…”

Mininuuu, arrazou!

Desse jeito, vai virar figurinha fácil em tudo que é para gay para receber homenagens.

Continuar Lendo

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

Copyright © 2017 Página Simões Filho