TEM UMA SIMÕES FILHO MELHOR
Brasil

Cláudio Monteiro, o arrecadador de propina no submundo da Copa

Cláudio Monteiro, o arrecadador de propina no submundo da Copa 25 de maio de 2017Leave a comment

Jornalista DRT/MTB nº 4584/BA - Atualmente é editor dos sites Tudo é política e Página Simões Filho. Tem formação em contabilidade e experiência como Instrutor profissional nas áreas de designer gráfico e programação para web.

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

METRÓPOLES – As devastadoras delações de executivos da empreiteira Andrade Gutierrez levaram para a cadeia figurões da política do Distrito Federal e personagens que, embora aparecessem menos sob os holofotes, atuavam com destaque nos bastidores. Um deles é Cláudio Monteiro — conhecido como Cláudio Buchinho —, homem-forte do ex-governador Agnelo Queiroz (PT) ao longo da carreira pública do petista. Companheiro de projetos e de falcatruas, Monteiro tinha papel central nos desvios de recursos públicos do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha, remodelado para a Copa do Mundo de 2014.

POSTO PARAKY – PADRÃO QUADRADO
Agente aposentado da Polícia Civil, Cláudio Monteiro foi o primeiro distrital eleito com votos de colegas de corporação. Na época filiado ao PRP, fez parte da Legislatura inaugural da Câmara Legislativa, entre 1991 e 1994, ao lado de Agnelo Queiroz, eleito pelo PCdoB. Na terça-feira (23/5), ambos estavam entre os 10 presos pela Polícia Federal por suspeita de desvios na reforma do Mané Garrincha.

O esporte, aliás, uniu a dupla. Após uma segunda temporada na CLDF, desta vez pelo PDT, Monteiro foi chefe de gabinete de Agnelo Queiroz entre 2003 e 2006, quando o amigo comandou o Ministério do Esporte no governo Lula. Em 2007, Agnelo deixou a pasta e assumiu a chefia da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Cláudio Monteiro foi atrás. Naquele período, manteve uma relação próxima a Rafael Barbosa, que viria a ser secretário de Saúde do DF na gestão de Agnelo.

POSTO PARAKY – PADRÃO QUADRADO
Monteiro pegou carona na ascensão de Agnelo, que, já filiado ao PT, venceu a corrida pelo Governo do DF em 2010. No Buriti, Cláudio Buchinho era o chefe de gabinete do petista. Em abril de 2012, entretanto, sofreu um baque e foi afastado do cargo por suspeita de receber uma espécie de “mesada” do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Agnelo foi forçado a exonerar o amigo, mas ficou sensibilizado. Em junho de 2012, Buchinho teve de se explicar à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investigava a atuação de Cachoeira com políticos. Gravações interceptadas pela Polícia Federal indicaram que Monteiro tinha influência em contratos e nomeações de interesse do grupo do bicheiro.

Em quatro horas de depoimento, Monteiro, que havia apresentado um habeas corpus para ficar calado, decidiu se defender. Negou as acusações, entregou os sigilos bancários dele e dos filhos. Ele ainda chorou negando qualquer irregularidade.

Veja o depoimento dele à CPMI

Reviravolta em campo
Como o escândalo nunca foi provado, Monteiro voltou ao GDF em setembro de 2012. Daquela vez, na condição do todo-poderoso chefe da Secretaria Extraordinária da Copa.

Quando as obras do Mané Garrincha começaram, Monteiro tinha um espaço reservado na praça desportiva. O secretário despachava diretamente do estádio, em uma espécie de contêiner, onde recebia políticos, empreiteiros e até times de futebol para organizar a agenda dos eventos-teste.

POSTO PARAKY – PADRÃO QUADRADO
Com um empurrãozinho do amigo…
Foi naquela época que começou a receber propina da Andrade Gutierrez (AG), uma das empreiteiras responsáveis pelo Mané Garrincha. Segundo a delação de Rodrigo Leite Vieira, funcionário da construtora, o próprio governador intercedeu por Monteiro. A pedido de Agnelo, a AG pagou R$ 250 mil de propina “em razão dos problemas financeiros” do ex-chefe de gabinete.

As informações constam em inquérito que apura desvios milionários no Mané Garrincha, aberto na 10ª Vara Federal de Brasília. “Foram realizadas cinco entregas de R$ 50 mil cada. A primeira se deu no Balão do Periquito, no Gama, próximo à residência de Monteiro, e as demais no estacionamento em frente ao Living Park Sul e no Estádio Nacional de Brasília”, diz o documento que o Metrópoles teve acesso.

POSTO PARAKY – PADRÃO QUADRADO
Em setembro de 2014, já no fim do governo Agnelo Queiroz, a secretaria que cuidava dos assuntos da Copa foi extinta, e Cláudio “Buchinho” Monteiro assumiu a pasta de Turismo. O órgão, então, ficou responsável pelas operações do estádio. Antes do fim do governo Agnelo, ainda comandou a Secretaria de Justiça, seu último cargo público.

 

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Jornalista DRT/MTB nº 4584/BA - Atualmente é editor dos sites Tudo é política e Página Simões Filho. Tem formação em contabilidade e experiência como Instrutor profissional nas áreas de designer gráfico e programação para web.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *