Mutirão de limpeza Simões Filho
Polícia ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Termina a greve de policiais e bombeiros militares da Bahia

Termina a greve de policiais e bombeiros militares da Bahia 11 de fevereiro de 20121 Comment

Jornalista DRT/MTB nº 4584/BA - Atualmente é editor dos sites Tudo é política e Página Simões Filho. Tem formação em contabilidade e experiência como Instrutor profissional nas áreas de designer gráfico e programação para web.

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Categoria finaliza acordo com o governo estadual e retomará imediatamente às atividades.

Depois de 11 dias de paralisação, o comando de greve do grupo de policiais e bombeiros militares baianos, paralisados desde a noite do último dia 31 de janeiro, retomarão as atividades a partir deste sábado (11). A decisão foi tomada durante assembleia realizada nesta sexta-feira (10)

Além da revogação dos processos administrativos de PMs que participaram da greve e da anulação das prisões dos líderes da greve, o Governo aceitou o pagamento imediato da GAP IV (Gratificação de Atividade de Policial) e o pagamento da GAP V para março de 2013.

Com o acordo firmado, os policiais encerram a campanha salarial referente ao ano de 2012. Os policiais também terão reajuste de 6,5% retroativos à janeiro deste ano. Segundo os órgãos do governo estadual, nos últimos anos, a categoria teve ganho real – isto é, descontando a inflação- de mais de 30%.

Em contrapartida, os militares abriram mão da revogação do decreto de prisão dos policiais e bombeiros envolvidos nas ações grevista. De acordo com a categoria, a via judicial será o caminho direto para tentar negociar a liberação dos PM’s presos. Além disso, os policias militares garantiram que farão o policiamento ostensivo durante os dias de Carnaval.

Na manhã da última quinta-feira (09), policiais ligados a ASPRA (Associação de Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia) desocupou o prédio da Assembleia da Assembleia Legislativa do Estado (ALBA), no Centro Administrativo (CAB).

Desocupação da Assembleia: o começo do fim

Desde que os grevistas entraram no prédio logo após a assembleia do dia 31 de janeiro, o local se transformou no palco principal dos impasses e também dos conflitos. De acordo com a Secretária de Comunicação do Estado, cerca de 240 pessoas, entre membros da corporação e familiares, ocupavam o local e transformaram o Centro Administrativo em uma área militarizada.

No começo da semana, mais de 1.400 militares do Exército, 200 PM’s de companhias especiais, 50 homens da Força Nacional de Segurança e agentes da Polícia Federal fizeram um cordão de isolamento em toda a área e controlaram o fluxo de pessoas até o último de ocupaçaõ. Durante o período, houve momentos diversos de tensão entre os manifestantes, os apoiadores e as Força Armadas, que tinham como ordem a reintegração de posse do prédio.  Bombas de gás de efeito moral, cassetetes e spray de pimenta foram usados para manter a ordem.

Com a divulgação de conversas em que o líder do movimento, Marco Prisco, foi flagrado conversando com um colega grevista e tratando de ações de intimidação como queima de viaturas e fechamento de rodovias, na noite de quarta-feira (08), o clima de tensão aumentou na Assembleia. Na madrugada, o advogado de Prisco informou que negociava a rendição e a saída do grupo, sem Prisco que foi detido dentro do prédio, se deu de forma tranquila.

Mesmo com a visível perda de força do movimento, o grupo ligado a ASPRA decidiu manter a greve esperando também a adesão de outras associações, o que não ocorreu. Em diversas cidades do interior, a rotina de trabalho foi voltando ao normal. Na última conversa com o governo, os grevistas aceitaram a contra-proposta e encerram a paralisação.

Avanço nas negociações
Desde o começo da última terça-feira (07), o governador Jaques Wagner deu sinais de que as negociações estariam avançando e que a greve poderia acabar a qualquer momento. Segundo ele, o diálogo se estendeu e o único impasse para o fim da greve era sobre a anista aos PMs acampados na ALBA. Sobre o pagamento de gratificações, um dos pedidos dos PMs, o governador admitiu a possibilidade de incorporar o benefício ao soldo dos policiais.

“Nós, ao longo de cinco anos, concedemos 30% de aumento real. E eu tenho limite na folha. As negociações são em torno desse valor, da chamada GAP 4, e eventualmente até da GAP 5, mas evidentemente isso terá que ser partilhado ao longo de 2013, 2014 e até 2015. Se for para pagar alguma coisa imediatamente agora, não há menor espaço, porque eu não tenho espaço fiscal para fazê-lo”, afirmou mais cedo o governador.

Na quarta-feira, o líder dos grevistas Marco Prisco, presidente da Aspra e líder dos grevistas, disse em entrevista a emissoras locais de televisão que as negociações sobre o pagamento de gratificações de atividade policial V e IV (GAPs) podem ficar para depois, pois a prioridade é a anistia dos PMs.

“Tem uma pauta que tem que ser discutida primeiro, que é a questão da revogação das prisões. Sem a discussão dessa pauta, não há outra discussão. A pauta não é só a questão da GAP”, disse.

Prisco chegou a defender os policiais, afirmando que não estariam envolvidos em atos de vandalismo cometidos na cidade desde o início da greve. “Apesar de nos acusarem, os atos de vandalismo não foram cometidos por mim nem por outros policiais. Não cometemos crime nenhum. A prova é que o crime aumentou três vezes depois que iniciamos a greve. E estamos todos aqui dentro (na Assembleia Legislativa)”, disse.

Dias de tensão
Assim que chegou de Cuba, o governador Jaques Wagner solicitou a presença do Exército Brasileiro e da Força Nacional para fazer a segurança das avenidas e bairros da capital baiana e também nas cidades do interior.

Durante todo o período em que estiveram paralisados, uma onda de saques, de violência e também de boatos impôs o temor e o pânico em diversas partes do estado. Ônibus foram queimados, estabelecimentos comerciais foram fechados, aulas suspensas, prejuízos nos bares e restaurantes foram contabilizados, dezenas de eventos cancelados, tiroteio, arrastões e um rastro de 10xx homicídios cometidos somente na capital baiana.

No total, o efetivo de policias militares da Bahia é de cerca de 30 mil profissionais. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP) somente 10% da categoria teria aderido à greve. Entretanto, para as diversas associações de policiais, este número teria sido muito maior. O sargento Agnaldo Pinto, presidente da Associação dos Praças da Polícia Militar da Bahia (APPM), chegou a afirmar que 90% teria cruzado os braços e, mesmo os que não participara da ocupação da Assembleia, ficaram recolhidos nos quartéis ou companhias.

 

Fonte: correio24horas.com.br

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Jornalista DRT/MTB nº 4584/BA - Atualmente é editor dos sites Tudo é política e Página Simões Filho. Tem formação em contabilidade e experiência como Instrutor profissional nas áreas de designer gráfico e programação para web.

One comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *