Conecte conosco

Publicado

em

Simões Filho tá Mudando
 

A cidade de São Paulo recebeu 5 milhões de dólares para o projeto que ajuda pequenos produtores de alimentos orgânicos.

Em 2016, Fernando Haddad foi o grande vencedor de uma competição entre prefeitos de toda a América Latina e Caribe, por um projeto que conecta pequenos produtores de alimentos orgânicos a mercados e restaurantes. O prêmio foi organizado pela Bloomberg Philanthropies, entidade do ex-prefeito de Nova Iorque, Michael Bloomberg.

 

“Após um competitivo processo de seleção que durou um ano, São Paulo surgiu como a cidade vencedora baseada em quatro critérios: a visão e criatividade da proposta, potencial de impacto, potencial de transferência e viabilidade de implementação” – James Anderson, da Bloomberg.

 

E olha que a competição não foi fácil. Foram 290 cidades representando 19 países. A Bloomberg Philanthropies e um comitê de seleção de 13 especialistas em inovação e política escolheram São Paulo e Haddad como os grandes vencedores.

Como resultado, a cidade de São Paulo recebeu US$ 5 milhões (o equivalente a cerca de mais de R$ 20 milhões) para implementar o projeto Ligue os Pontos, para beneficiar toda a população.

Fonte: Agência PT

Jornalista DRT/MTB nº 4584/BA - Atualmente é editor dos sites Tudo é política e Página Simões Filho. Tem formação em contabilidade e experiência como Instrutor profissional nas áreas de designer gráfico e programação para web.

Eleições

MAGNO REIS CONSOLIDA VOTOS A MARCEL MORAES E SE TORNA LIDERANÇA IMPORTANTE EM SIMÕES FILHO

Publicado

em

No último domingo (7), praticamente toda Simões Filho voltou as atenções para o resultado da votação dos candidatos Kátia Oliveira e Eduardo Alencar, ambos concorrendo ao cargo de deputado estadual e ambos eleitos.

No entanto outros candidatos foram votados na cidade, a exemplo dos irmãos Marcel Moraes e Marcele Moraes.

Marcel Moraes e sua irmã têm como base de suas ações como deputado, a causa animal.
Ações como vacinação e castração de gatos e cachorros a custo zero para seus donos têm dado retorno positivo ao deputado reeleito, uma vez que cada animal doméstico para muitos, é um ente familiar.
Em Simões Filho Marcel Moraes tem o jovem Magno Reis como integrante de sua equipe e sendo assim, as ações de atendimento animal são promovidas, exatamente, por Ele – Magno Reis – Jovem que há mito vem buscando consolidar sua imagem no cenário político local.

Magno Reis foi o principal fundador da ala jovem do DEMOCRATAS e também ocupou a posição de presidente do Partido Verde(PV) em Simões Filho.
O trabalho com a causa animal em Simões Filho vem dando retorno positivo a Marcel Moraes. Magno Reis, nos últimos três anos, promoveu atendimento a cerca de dois mil animais, o que tem criado um vínculo com os donos dos mesmos, gerando confiança e compromisso.
Essa confiança tem sido convertida em votos a Marcel Moraes, que nos últimos dos anos viu se consolidar um eleitorado fiel na cidade.

Desde que se lançou na vida pública em 2008, Marcel Moraes foi eleito vereador de salvador só em 2012, de lá para cá, passou e depois a eleição como deputado estadual com mais de trinta e cinco mil votos.
Agora em 2018, Marcel Moraes obteve, praticamente, o dobro de votos, e Magno Reis fez parte dessa conquista, conseguindo em média 600 votos em Simões Filho, para a dupla Marcel e Marcele Moraes.

Para alguns pode não ser muito, no entanto, qualquer candidato a deputado que busca votos em Simões Filho, sabe a dificuldade que é para conquistar um voto na cidade.

Conseguindo em média 600votos em Simões Filho, a cada eleição que disputa Marcel Moraes, Magno Reis consegue se firmar como uma das lideranças mais valiosas da cidade.
“Esse trabalho não vai parar por aqui.” Foi que declarou Magno Reis, ao Simões Filho on Line, durante a cobertura inédita, ao vivo, da apuração dos votos no primeiro turno, no último domingo.

Onde Magno Reis chegará?
Marcel Moraes certamente sabe do valor do seu representante em Simões Filho e certamente, irá apoiar o mesmo em sua jornada.

Continuar Lendo

Colunistas

Manifesto FENAJ sobre a eleição presidencial

Publicado

em

É hora de escolher a democracia

A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), representante máxima da categoria no Brasil, novamente se dirige aos/às jornalistas e à sociedade para defender a democracia e opor-se ao fascismo emergente. Em breve, o povo brasileiro vai voltar às urnas para eleger o novo presidente do país e não restam dúvidas de que a disputa não se dá entre dois projetos democráticos, mas entre uma candidatura que respeita a institucionalidade e o jogo democrático e outra que representa uma regressão política e até mesmo civilizatória.

O Código de Ética do Jornalista Brasileiro estabelece, em seu artigo 6º, como dever do profissional: “I – opor-se ao arbítrio, ao autoritarismo e à opressão, bem como defender os princípios expressos na Declaração Universal dos Direitos Humanos;(…) X – defender os princípios constitucionais e legais, base do estado democrático de direito; XI – defender os direitos do cidadão, contribuindo para a promoção das garantias individuais e coletivas, em especial as das crianças, adolescentes, mulheres, idosos, negros e minorias;(…) XIV – combater a prática de perseguição ou discriminação por motivos sociais, econômicos, políticos, religiosos, de gênero, raciais, de orientação sexual, condição física ou mental, ou de qualquer outra natureza.”

Portanto, além de um dever cívico, é também uma obrigação ética dos jornalistas posicionarem-se contra um candidato a presidente da República que faz apologia da violência, não reconhece a história do país, elogia torturadores, derrama ódio sobre negros, mulheres, LGBTIs, índios e pobres e ainda promete combater o ativismo da sociedade civil organizada. Esse candidato é Jair Bolsonaro, do PSL.

Propositadamente, ele faz uma campanha despolitizada, assentada em valores morais, família e religião; na disseminação de ideias como anticomunismo, racismo e intolerância à diversidade. Na verdade, representa os que, ainda hoje, não se conformaram com a redemocratização e com os avanços sociais ocorridos na última década. Bolsonaro representa os que temem a democracia e a organização do povo; fala em nome daqueles que não se incomodam com privilégios nem com a corrupção e que não se constrangem com o uso da força onde e quando julgarem necessário.

Como entidade representativa dos trabalhadores e trabalhadoras jornalistas, a FENAJ também chama atenção para o perigo da agenda de retrocessos nos direitos trabalhistas anunciada pelo candidato do PSL, que certamente aprofundaria ainda mais os retrocessos da contrarreforma trabalhista imposta à classe trabalhadora pelo governo Temer.

Do outro lado, temos a candidatura de Fernando Haddad. Sem cair na tentação de avaliar os governos do PT, podemos afirmar seguramente que o partido respeitou – e respeita – as instituições democráticas; apresenta-se para o debate público e submete-se à vontade soberana do povo, expressa nas urnas. Haddad não é, portanto, um extremista autoritário que apenas está no polo oposto, como querem fazer crer seus adversários políticos.

Assim, a Federação Nacional dos Jornalistas sente-se na obrigação de alertar a categoria e a sociedade em geral para a verdadeira disputa atual: ou democracia, com todas as suas imperfeições, ou o autoritarismo de base militar, com todos os seus males. A decisão, portanto, tem de ser no campo da política, com o debate público sobre o país e seu povo.

Em defesa da democracia!

Em defesa do Estado Democrático de Direito!

Em defesa dos direitos humanos!

Em defesa da soberania nacional e popular!

Brasília, 11 de outubro de 2018.

Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ.

Continuar Lendo

Eleições

CHOCANTE! GRUPO QUE COBRAVA 50 REAIS PARA MATAR JOVENS CARENTES, TINHA O APOIO DE BOLSONARO

Publicado

em

Bolsonaro apoioou grupos de extermínio

Da Agência Sportilight – O relógio apontava 14h54 do dia 12 de agosto de 2003 quando Jair Bolsonaro, parlamentar do chamado baixo clero, então em seu quarto mandato, foi ao microfone do plenário da Câmara dos Deputados e fez veemente defesa dos crimes de extermínio. Exaltados como solução para a política de segurança a ser adotada no Rio de Janeiro.

O motivo para a apaixonada defesa era a ação de um esquadrão da morte que vinha aterrorizando a Bahia desde o início daquela década. Deu boas vindas aos foras da lei mesmo reconhecendo a ilegalidade.

Na apaixonada fala abaixo transcrita como está registrada nos anais da casa parlamentar (ver abaixo), omitiu apenas a motivação econômica que movia e razão de ser dos criminosos munidos com carteira do estado: um grande negócio travestido de combate ao crime.

“Quero dizer aos companheiros da Bahia — há pouco ouvi um Parlamentar criticar os grupos de extermínio — que enquanto o Estado não tiver coragem de adotar a pena de morte, o crime de extermínio, no meu entender, será muito bem-vindo. Se não houver espaço para ele na Bahia, pode ir para o Rio de Janeiro. Se depender de mim, terão todo o meu apoio, porque no meu Estado só as pessoas inocentes são dizimadas. Na Bahia, pelas informações que tenho — lógico que são grupos ilegais —, a marginalidade tem decrescido. Meus parabéns”!

Muitos dos criminosos parabenizados pelo parlamentar por seus feitos não tinham rosto mas os crimes tem números. No ano de 2000, foram 146 registros de mortos em ação de grupos de extermínio apenas na capital Salvador. Maioria absoluta de jovens negros e favelados. Subiu drasticamente no ano seguinte, indo para 321 assassinados por esses esquadrões da morte. Em 2002, 302 assassinatos.

Os números são da “Comissão de Direitos Humanos” da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia (Alba) daquele mesmo ano do discurso de Bolsonaro. A dimensão do genocídio gerou uma Comissão Parlamentar de Inquérito na assembleia baiana.

(…)

Autor de minucioso estudo (“Entre o vigilantismo e o empreendedorismo violento”) para mestrado em Ciências Sociais na Universidade Federal da Bahia (UFBA), com recorte nesses grupos que agiram na Bahia naqueles anos, o advogado Bruno Teixeira Bahia relata as características de tais ações e grupos. “Eram compostos, em sua maioria, por policiais e ex-policiais civis e militares, ressaltando, ainda, que em quase todos os casos as vítimas eram jovens, negros e pobres, com idade entre 14 e 26 anos e sem passagem pela polícia”, está na peça.

Os assassinatos destacados como política de segurança por Bolsonaro em sua maioria eram precedidos de tortura, de acordo com o estudo. “As vítimas, em geral, são encontradas com marcas de tiros em pontos vitais, geralmente na cabeça, nuca e ouvido. Além dos disparos, também eram levadas em consideração outras marcas deixadas nos corpos das vítimas, como mãos amarradas, sinais de tortura, tais como unhas e dentes arrancados, hematomas por todo o corpo e, às vezes, o ateamento de fogo ao cadáver”.

(…)

Entre tantos, provavelmente o mais contundente dado é comprovação das investigações e inquéritos judiciais, além da CPI, de que o extermínio organizado foi um grande comércio. De vida e morte. Em Juazeiro, interior do estado, as mortes eram encomendadas muitas vezes por comerciantes. Valores entre R$ 50 e R$ 100 pagavam um assassino de aluguel desses grupos.

(…)

 

Continuar Lendo

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

Copyright © 2017 Página Simões Filho