Conecte conosco

MUNDO

Alvo de Bolsonaro, Fernández faz 1 mês de gestão e adota tom ameno na Argentina, diz analista

O governo do presidente argentino Alberto Fernández completou o seu 1º mês nesta sexta-feira. Focado nas dívidas, o mais recente morador da Casa Rosada deu sinais que quer uma boa relação com o líder brasileiro Jair Bolsonaro, algo que segue difícil, segundo um analista ouvido pela Sputnik Brasil.

Publicado

em

Agencia Sputnik – Na opinião do professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), André Luiz Coelho, pouco mudou em relação às relações entre Fernández, alinhado com o peronismo e o kirchnerismo, e Bolsonaro, ligado a uma direita de cunho mais conservador no Brasil.

“Acho que o Alberto Fernández segurou mais o discurso dele agora depois de eleito. Ele tinha um discurso até que se aproximou do Lula, chegou a falar em Lula Livre durante a campanha e no dia da posse, mas ao longo desse primeiro mês de mandato ele não fez nenhuma crítica direta ao governo brasileiro”, avaliou o especialista em políticas latino-americanas.

“Já o governo do presidente Bolsonaro, especialmente no Twitter, ele fez várias críticas ao Alberto Fernández, especialmente a sua relação com a Venezuela. Há alguns dias ele chegou a fazer um tweet no qual ele relacionava a Venezuela e a Argentina, dizendo sobre a possibilidade das novas medidas econômicas tomadas pelo Alberto Fernández aumentarem o número de argentinos no Brasil, da mesma maneira que muito venezuelanos fugiram de lá para o norte do Brasil”, prosseguiu.

Entretanto, como muitas de suas falas, o presidente brasileiro não apresentou dados ou outros elementos para sustentar a sua afirmação. Coelho relembrou que Bolsonaro também ameaçou tirar a Argentina do Mercosul, caso o novo mandatário argentino dificultasse a implementação do acordo firmado no ano passado do bloco sul-americano com a União Europeia (UE).

“Eu acho que o Fernández busca uma relação madura, dizendo que os países devem buscar várias relações econômicas possíveis. Já o Bolsonaro não me parece ter o mesmo amadurecimento do que o Fernández, tanto essas críticas com relação às mudanças do Fernández em relação à Venezuela […] não defende o governo Maduro, ao contrário da sua vice Cristina Kirchner, que defende uma postura mais assertiva de defesa do governo Maduro”, afirmou.

“Mas o Bolsonaro continua criticando a Argentina, dizendo da possibilidade da fuga de argentinos para o Brasil, o que não me parece nem um pouco verdade nesse momento. Na verdade, me parece que o Bolsonaro continua ainda muito mais com um discurso ideológico do que o Alberto Fernández, dizendo inclusive sobre a possibilidade de tirar a Argentina do Mercosul caso ela crie algum problema para firmar o acordo entre Mercosul e UE. Não me parece neste momento que a Argentina possa criar algum entrave para que esse acordo já negociado seja colocado em execução, me parece que não vai ser o caso da Argentina neste momento, mas o Bolsonaro afirma que vai tirar a Argentina do Mercosul caso cause problemas, o que eu tenho certeza que legalmente é impossível”, complementou.

Para Coelho, Fernández está menos preocupado com ideologias neste momento e se mostra focado em recuperar a viabilizar economicamente a Argentina, que foi deixada “no chão” pelo antecessor dele, Mauricio Macri – preferido de Bolsonaro nas últimas eleições presidenciais no país vizinho. O especialista da Unirio relembrou que medidas de austeridade, renegociação com credores e barrar a fuga de dólares integram a linha de frente dos planos do presidente.

“O Paulo Guedes, ministro da Economia do Bolsonaro, afirmou ter uma relação boa com o Alberto Fernández e que entende que a Argentina está indo por um bom caminho, principalmente após esse pacote econômico anunciado em 17 de dezembro. Então o Paulo Guedes está pensando algo diferente do que o presidente Bolsonaro”, argumentou.

Segundo Coelho, o que traz otimismo para as boas relações entre Brasília e Buenos Aires se encontra em uma área técnica: a diplomacia. A linha direta que vem sendo estabelecida entre ambas as chancelarias é fundamental, na visão do professor. Isto, claro, se os diplomatas e sua expertise puderem ser exercidas sem influências políticas e ideológicas.

“Nós temos uma tradição histórica de uma relação muito boa com a Argentina desde a redemocratização [em 1985]. Tanto o Sarney quando o Alfonsín aproximaram os países, essa aproximação acabou gerando o Mercosul anos depois, então há uma aproximação histórica entre as duas chancelarias. Na verdade, me parece que os diplomatas brasileiros e argentinos têm uma agenda a ser cumprida, agenda essa que vem de décadas anteriores. Então uma vez que os diplomatas tenham importância no governo Bolsonaro, especialmente aqueles focados na relação Brasil-Argentina e que tenham liberdade para trabalhar, isso é o melhor dos sinais. Se esses diplomatas não tiverem espaço para trabalhar, aí sim teremos problemas”, profetizou.