Conecte conosco

Dinheiro & Negócios

Crise externa tende a diminuir ritmo do PIB brasileiro, dizem economistas

Publicado

em

MW Auto Peças 40 Anos
‘Contágio’ da economia brasileira pode ocorrer via crédito e expectativas. No curto prazo, analistas avaliam que o dólar pode subir um pouco.

A nova fase da crise financeira internacional, que foi inaugurada nas últimas semanas com a percepção de que a economia dos Estados Unidos vai demorar mais alguns anos para se recuperar, e de que os problemas de endividamento em alguns países da Europa ainda persistem sem uma solução no curto prazo, deve gerar reflexos no Brasil, segundo economistas consultados pelo G1.

A exemplo do ocorrido em 2008, na primeira “onda” da crise financeira, que teve início com o anúncio de concordata do banco norte-americano Lehman Brothers, o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) pode desacelerar – embora com menor intensidade.

Em 2009, por conta dos efeitos da crise financeria, o PIB do Brasil registrou retração de 0,6%. Atualmente, o mercado financeiro prevê uma expansão de cerca de 4% para 2011 e 2012. Os economistas ainda não arriscam números, mas dizem que esse ritmo de expansão tende a diminuir.

Produto Interno Bruto
“Sem considerar os efeitos prováveis da crise externa, são notórios os sinais de retração no consumo de eletroeletrônicos, eletrodomésticos, automóveis, e, os estoques de bens não duráveis revelam-se em alta. Por isso, é bastante provável que tenhamos algum reflexo no crescimento do PIB, pois embora tenhamos condições de superar os reflexos externos da crise, podemos encontrar um mercado interno mais cauteloso e menos vigoroso”, avaliou Sidnei Nehme, economista da NGO Corretora de Câmbio, por meio de comunicado.

Para Silvio Campos Neto, da Tendências Consultoria, a nova rodada da crise financeira pode seguir o mesmo percurso ocorrido na primeira fase das turbulências, há três anos atrás. “A gente pode seguir a avaliação do que houve em 2008 e 2009, que foi um contágio via mercado de crédito [retração da oferta de financiamentos para o consumo] e queda das ‘commodities’. Pode haver diminuição na entrada de recursos e uma disponibilidade de crédito mais baixa. Se agravar um pouco mais a situação e a aversão ao risco se acentuar, seria natural ter algum efeito no crescimento [do Brasil]”, disse ele.

Impacto na bolsa, nas contas externas e no dólar
Para Sidnei Nehme, outro efeito da crise financeira internacional sobre a economia brasileira deve ser a piora das contas externas do país.

“Muito provavelmente o Brasil terá que rever as projeções de ingressos de investimentos estrangeiros diretos [voltados para a produção] e investidores em renda variável e fixa, e o déficit em transações correntes [das contas externas] poderá elevar-se com o incremento das saídas de dividendos, impactando nos fluxos cambiais estimados”, avaliou ele.

Atualmente, o mercado financeiro prevê um déficit das contas externas (transações correntes) de US$ 59 bilhões para este ano e de US$ 69 bilhões para 2012.

Sobre a Bovespa, o economista da NGO Corretora prevê “poucas perspectivas de recuperação sustentável neste ano”. “Dependência de investimentos estrangeiros, que deverão sofrer retração, e, influência dos papeis ligados a “commodities” [Petrobras e Vale do Rio Doce, por exemplo], que tendem a queda nos preços, deverão afetar e inibir o comportamento”, explicou ele.

Já Silvio Campos Neto, da Tendências, prevê subida do dólar no curto prazo, ficando em um patamar acima de R$ 1,60 por conta das turbulências internacionais – que tendem a gerar saída de recursos do país.

“O dólar, no curto prazo, tende a ficar acima de R$ 1,60. É natural que se tenha muitas oscilações no câmbio. Ele acaba reagindo mais a um cenário de preocupações e temores. Quando a crise se amenizar, a tendência é do dólar de cair e seguir valorizado, mesmo porque o Federal Reserve [BC dos EUA] já sinalizou juros baixos até 2013”, informou ele.

Juros e inflação
Se a crise pode gerar desaceleração do ritmo de crescimento da economia brasileira e piora das contas externas do país, as turbulências externas também podem facilitar a vida do Banco Central no controle da inflação. Isso porque os preços das “commodities” (produtos com cotação no mercado internacional, como alimentos, petróleo e minério de ferro, por exemplo) tendem a mostrar algum recuo.

“Pode vir a ter contribuição [para conter a inflação], mas não deve ser substancial. Porque a inflação está dependendo de eventos domésticos, como preços dos serviços. Mas alguma ajuda tende a dar. Isso é fato”, declarou Campos Neto. Essa visão também já foi expressa pelo presidente do Banco Central, Alexandre Tombini.

Com menores pressões inflacionárias, a postura do Banco Central, na determinação da taxa básica de juros da economia brasileira, tende a ser menos agressiva. O próprio mercado financeiro, que há pouco tempo acreditava em um aumento dos juros para 12,75% ao ano no fim de agosto, já não prevê mais aumento da taxa até o fim de 2012. Atualmente, os juros estão em 12,50% ao ano. Alguns economistas já falam em redução dos juros até o fim deste ano.

‘Armas’ contra a crise
Com o agravamento da crise financeira internacional nas últimas semanas, autoridades da equipe econômica se apressaram em dizer, e repetir à exaustão, que a economia brasileira está “melhor preparada” do que em 2008 para superar essa nova fase das turbulências. Para combater os efeitos da crise no Brasil, o governo dispõe de uma série de armas – que podem ser usadas caso a crise piore, ou demore muito a ser superada.

Um dos instrumentos são as reservas internacionais, atualmente acima de US$ 350 bilhões, valor 70% acima do registrado em setembro de 2008 (US$ 205 bilhões), antes da eclosão da primeira etapa da crise externa. Esses recursos podem ser utilizados, novamente, para oferecer crédito ao setor privado, caso um novo episódio de “empoçamento” de empréstimos aconteça.

Outra arma para estimular a economia e tentar evitar a perda de empregos são os depósitos compulsórios (recursos que ficam retidos na autoridade monetária). Atualmente, os compulsórios estão acima de R$ 415 bilhões. Em 2008, para estimular a concessão de crédito pelas instituições financeiras, o BC liberou mais de R$ 70 bilhões em compulsórios e usou os bancos públicos para sustentar os empréstimos.

Além disso, o governo também poderá lançar mão, caso julgue que precisa novamente aquecer a economia, da taxa básica de juros. Atualmente em 12,50% ao ano, os juros são os mais altos do mundo em termos reais (6,8% ao ano – após o abatimento da expectativa de inflação para os próximos 12 meses), o que também tem contribuído para a entrada de dólares no país.

A manutenção de recursos na economia, via redução de tributos, também é uma arma do governo contra uma eventual desaceleração mais forte da economia. Com os dois planos lançados recentemtente (pacote industrial e correção dos limites do Simples), deixará de arrecadar cerca de R$ 23 bilhões em 2012.

Além disso, também está previsto um forte aumento de quase 15% no salário mínimo no ano que vem. “O reajuste real [acima da inflação] de 8% no mínimo, ausente este ano, acrescentará mais de R$ 15 bilhões em gastos”, observou o economista Fernando Montero, da Convenção Corretora.

Na primeira fase da crise, em 2008, o governo baixou o IPI de materiais de construção, dos automóveis e da linha branca (fogões, geladeiras e máquinas de lavar). Entretanto, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, tem dito que ainda não é o momento de aplicar novas “politicas anticíclicas” e tem pedido ajuda ao Congresso para evitar o crescimento dos gastos, enquanto Alexandre Tombini, presidente do BC, também prega controle das contas públicas.

fonte: g1.com.br

Dinheiro & Negócios

Gás de cozinha fica mais caro a partir desta segunda em toda Bahia

Botijão de 13kg podem custar até R$ 110 na capital baiana com o novo reajuste

Publicado

em

O preço do gás de cozinha, tecnicamente chamado de GLP (Gás Liquefeito de Petróleo), terá reajuste de 5,9% a partir desta segunda-feira (14). O reajuste parte da Petrobras, que justificou o aumento em função do reflexo do mercado internacional.

Este não é o primeiro reajuste do gás de cozinha no ano. Em janeiro, a Petrobras elevou o preço em 6%. Em fevereiro, a alta foi de 5,1%. Em março, um novo reajuste médio de R$ 0,15 por quilo foi anunciado. Em abril, o aumento foi de 5%.

Desde quando mudou sua política de preços, em julho de 2017, a empresa ajusta os preços dos combustíveis com base nos valores praticados internacionalmente, cotado em dólar, mesmo para o consumo interno. O preço do botijão de gás em Salvador varia entre R$80 e R$102. Com o reajuste, os valores podem chegar até mais de R$ 110. 

Com informações do Tudo é Política.

Continuar Lendo

Dinheiro & Negócios

AUXÍLIO EMERGENCIAL SERÁ PROLONGADO ATÉ FIM DA VACINAÇÃO DE ADULTOS

Nesta terça-feira (8), o ministro da Economia, Paulo Guedes, informou que o governo vai amplificar o auxílio emergencial por mais dois ou três meses

Publicado

em

AUXÍLIO EMERGENCIAL SERÁ PROLONGADO ATÉ FIM MDA VACINAÇÃO DE ADULTOS

Ministro diz que vai manter o auxílio emergencial até toda população adulta ser vacinada. Sobre reforma tributária, Guedes acredita que não haverá grandes novidades, mas que governo não quer elevar imposto para o setor de serviços.

Nesta terça-feira (8), o ministro da Economia, Paulo Guedes, informou que o governo vai amplificar o auxílio emergencial por mais dois ou três meses, até que toda população adulta esteja vacinada no país, segundo o G1.

“Possivelmente nós vamos estender agora o auxílio emergencial por mais dois ou três meses, porque a pandemia está aí […]. Os governadores estão dizendo que, em dois ou três meses, a população brasileira adulta vai estar toda vacinada. Então, nós vamos renovar por dois ou três meses o auxílio, e logo depois entra, então, o novo Bolsa Família, já reforçado”, disse o ministro citado pela mídia.

Atualmente, o valor pago pelo auxílio se encontra entre R$ 150 e R$ 375, porém, o ministro não detalhou se esses valores serão os mesmos a serem aplicados na extensão do auxílio. Com essa nova medida, o pagamento, que estava previsto para terminar em julho, pode ser ampliado até outubro.

Continuar Lendo

Dinheiro & Negócios

Caixa paga auxílio emergencial a nascidos em dezembro

Inscritos no Bolsa Família com NIS final 9 podem sacar benefício

Publicado

em

Caixa paga auxílio emergencial a nascidos em dezembro

Trabalhadores informais nascidos em dezembro recebem hoje (29) a primeira parcela da nova rodada do auxílio emergencial. O benefício terá parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo da família.

Também hoje, beneficiários do Bolsa Família com o Número de Inscrição Social (NIS) de dígito final 9 poderão sacar o benefício.

O pagamento também será feito a inscritos no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos no mesmo mês. O dinheiro será depositado nas contas poupança digitais e poderá ser movimentado pelo aplicativo Caixa Tem. Somente de duas a quatro semanas após o depósito, o dinheiro poderá ser sacado em espécie ou transferido para uma conta corrente.

O saque da primeira parcela foi antecipado em 15 dias. O calendário de retiradas, que iria de 4 de maio a 4 de junho, passou para 30 de abril a 17 de maio.

Calendário de saques do auxílio emergencial – Divulgação/Caixa Econômica Federal

Ao todo 45,6 milhões de brasileiros serão beneficiados pela nova rodada do auxílio emergencial. O calendário de pagamentos foi divulgado pelo governo no fim de março e atualizado há duas semanas.

O auxílio será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à nova rodada (veja guia de perguntas e respostas no último parágrafo).

Calendário de pagamentos antecipados da primeira parcela do auxílio emergencial. – Divulgação/Caixa Econômica Federal

Para os beneficiários do Bolsa Família, o pagamento ocorre de forma distinta. Os inscritos podem sacar diretamente o dinheiro nos dez últimos dias úteis de cada mês, com base no dígito final do NIS.

O pagamento da primeira parcela aos inscritos no Bolsa Família começou no último dia 16 e segue até amanhã (30). O auxílio emergencial somente será pago quando o valor for superior ao benefício do programa social.

Calendário de pagamento das parcelas do auxílio emergencial para beneficiários do Bolsa Família – Arte/Agência Brasil

Agência Brasil elaborou um guia de perguntas e respostas sobre o auxílio emergencial. Entre as dúvidas que o beneficiário pode tirar estão os critérios para receber o benefício, a regularização do CPF e os critérios de desempate dentro da mesma família para ter acesso ao auxílio.

Fonte: Agência Brasil

Continuar Lendo

AS MAIS LIDAS DA SEMANA