Conecte conosco

Dinheiro & Negócios

Dívida Pública Federal fechou o mês de setembro em R$ 4,1 trilhões

Durante o todo o mês passado, Tesouro Nacional emitiu R$ 57,11 bilhões a mais do que resgatou (tirou de circulação)

Publicado

em

Bahia.ba – Um dos indicadores de solvência da economia brasileira, a Dívida Pública Federal (DPF) fechou setembro em R$ 4,156 trilhões. O valor supera em 2% o registrado em agosto (R$ 4,074 trilhões).

No mês passado, a Dívida Pública Mobiliária (em títulos) Interna, em circulação no mercado nacional, subiu 2,04%, passando de R$ 3,913 trilhões para R$ 3,993 trilhões. O indicador foi impulsionado pela forte emissão líquida.

Durante o mesmo período, conforme dados do governo federal, o Tesouro Nacional emitiu R$ 57,11 bilhões a mais do que resgatou (tirou de circulação). A maior parte das emissões da Dívida Pública Mobiliária Interna ocorreu em títulos prefixados e corrigidos pela taxa Selic. Também contribuiu para a alta o reconhecimento de juros de R$ 23,15 bilhões.

A apropriação de juros representa o reconhecimento gradual das taxas que corrigem os juros da dívida pública. As taxas são incorporadas mês a mês ao estoque da dívida, conforme o indexador de cada papel. A alta de 0,63% do dólar no último mês fez a Dívida Pública Externa ficar praticamente estável em setembro. O estoque passou de R$ 160,87 bilhões para R$ 162,49 bilhões.

Apesar da alta em setembro, a DPF está dentro dos limites previstos pelo Tesouro. De acordo com o Plano Anual de Financiamento, divulgado no início do ano, a tendência é que o estoque encerre o ano entre R$ 4,1 trilhões e R$ 4,3 trilhões.

P U B L I C I D A D E