Conecte conosco

Saúde

FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA DEVERÃO RECEBER KITs DE HIGIENE PESSOAL. PROJETO É DO VEREADOR ROBERTO SOUZA

Publicado

em

FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA RECEBERÃO KIT DE HIGIENE PESSOAL
MW Auto Peças 40 Anos

Na 11ª Sessão Ordinária, realizada na última terça (8), foi aprovada por unanimidade a indicação de nº 084/2021, de autoria do vereador Roberto Souza (PODE), que solicita ao Poder Executivo a disponibilização de kits de higiene pessoal, contendo escova de dente, creme dental, fio dental, sabonete, sachês de shampoo e condicionador, absorvente, desodorante, álcool em gel e máscaras de proteção para as famílias de baixa renda.

A justificativa cita a importância de proporcionar o bem-estar e auxiliar no combate à COVID e outras doenças. Durante a discussão da matéria, o parlamentar explicou que indicação surgiu após assistir a uma reportagem.

“A reportagem mostrava que uma diretora de colégio percebeu que várias alunas faltavam às aulas sempre no mesmo período do mês. Eram meninas carentes e pobres que não tinham condições de comprar seus absorventes. Então elas deixavam de frequentar a escola por esse motivo. Isso me entristeceu muito, pois em pleno século XXI as pessoas não têm condições do básico… Acho que é importante termos alimentação, mas também é essencial termos a higiene pessoal. Então seria interessante a prefeitura investir também na prevenção. Quando você previne, você gasta menos”, disse o edil.

O vereador comentou ainda que a indicação é de suma importância para que meninas não deixem de frequentar a escola por não terem absorvente. “Precisamos dar atenção a essas crianças, então que esses kits sejam distribuídos nas escolas e nos postos de saúde”, concluiu.

CORONAVÍRUS

FUNGO PRETO É REGISTRADO NO BRASIL EM PACIENTE QUE TEVE COVID-19

Índia assiste a um crescimento vertiginoso de casos de fungo preto

Publicado

em

O Brasil investiga alguns casos de mucormicose em pacientes com histórico de COVID-19, mas é a Índia que assiste a um crescimento vertiginoso de casos de fungo preto.

O primeiro caso de mucormicose, infecção fúngica conhecida como fungo preto, em um paciente que teve a COVID-19 no Rio Grande do Norte, foi confirmado pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) do estado nesta segunda-feira (7).

A paciente, uma mulher de 42 anos, de Natal, apresentou sintomas da mucormicose e uma biópsia confirmou a ocorrência do fungo.

A Sesap afirmou que a paciente está em tratamento com antifúngicos, em casa, e que a equipe de vigilância da Sesap está “acompanhando o quadro, avaliando os exames, o histórico de movimentações da paciente e sua situação clínica atual”, reporta o jornal Tribuna do Norte.

Familiares de homem que morreu da COVID-19 durante sua cremação em Srinagar, Índia, 25 de maio de 2021

Fungo preto na Índia

O Brasil investiga alguns casos de mucormicose em pacientes com histórico de COVID-19, mas é a Índia que assiste a um crescimento vertiginoso de casos de fungo preto, doença que já acometeu quase nove mil pacientes que tiveram o novo coronavírus no país. Nova Deli também registrou casos de fungo branco e amarelo.

A taxa de letalidade da mucormicose é de cerca de 50%. Enquanto a taxa de letalidade da COVID-19 gira em torno de 2% a 7%, se o paciente contrai a mucormicose sobe para 40%.

Agência Sputnik

Continuar Lendo

CORONAVÍRUS

COVID-19 MOSTRA CRESCIMENTO PREOCUPANTE EM SIMÕES FILHO. 45 CASOS NO FIM DE SEMANA

Publicado

em

covid explode em simões filho

Os casos de contagio pelo novo coronavírus seguem avançando de forma preocupante na cidade de Simões Filho, Região Metropolitana de Salvador.
Neste final de semana o município registrou 45 novos casos da pandemia

Os dados coletados, indiretamente, pela redação do Página Simões Fiho, dão conta de que no final de semana houve registro de 45 novos casos de COVID-19, doença causanda pela pandemia do novo coronavírus.

De acordo com o boletim da SESAB, já são 7.934 casos desde o início da pandemia.

A secretaria municipal de saúde informa que os casos ainda estão em 6.451 contágios.

Há relatos de aglomerações em eventos clandestinos em vários bairros e estabelecimentos em vários pontos da cidade.

A população reclama que não está havendo fiscalização.

Em tempo,

informamos que a prefeitura municipal, através da sua assessoria de comunicação não mantem contato com o Página Simões Filho.

Continuar Lendo

Saúde

Padilha: distribuir e prescrever cloroquina por meio do SUS é ilegal

Publicado

em

O deputado federal e ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha (PT-SP), em entrevista à TV 247, afirmou que profissionais da saúde que prescrevem cloroquina pelo SUS para pacientes com Covid-19 estão cometendo uma ilegalidade.Um dos itens do “envenenamento precoce”, apelidado por Padilha, a cloroquina não foi incorporada pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec), o que impede sua prescrição por profissionais do SUS. “Ninguém no SUS pode fazer propaganda, produzir, comprar, distribuir ou prescrever uma medicação que não foi incorporada pela Conitec. Não está autorizado a ser investido recurso público do SUS para uso dessa medicação. E o governo Bolsonaro fez tudo isso. O SUS não permite”.

Apesar das evidências científicas que apontam para a ineficácia da cloroquina contra a Covid-19, médicos ainda sim têm autonomia para medicar seus pacientes com a substância. Eles são obrigados, porém, a seguir quatro protocolos estabelecidos pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), alerta Padilha. “O CFM está regulando o que o médico tem que fazer caso ele queira prescrever esse medicamento e assumir a responsabilidade sobre isso. Ele precisa orientar o paciente de que não existe qualquer estudo que mostre a eficácia desse medicamento, tem que orientar o paciente dos estudos que mostram a gravidade e a agressão que esse medicamento pode causar, tem que orientar o paciente que a melhor forma de prevenir a Covid-19 é o uso de de máscara, o distanciamento e álcool gel e tem que fazer um termo de consentimento”.

‘Nise mentiu sobre suas funções na Saúde nos governos do PT’

Sobre o depoimento da médica Nise Yamaguchi, defensora da cloroquina, à CPI da Covid na última terça-feira (1), Padilha desmentiu as informações apresentadas por ela sobre quando atuou no Ministério da Saúde durante os governos do PT. A médica citou sua passagem pelo ministério em outros governos para tentar se afastar da ideia de que é apoiadora de Jair Bolsonaro.

“Ela de fato foi servidora do ministério já na gestão do [ex-ministro José Gomes] Temporão. Quando eu assumi o ministério, em 2011, ela era servidora do ministério, depois eu a exonerei porque o papel que ela tinha não estava correspondendo ao que a gente estabelecia. Mas ela nunca teve qualquer participação ou envolvimento. Ela chegou a mentir mais de uma vez dizendo que durante a gestão do Temporão, na H1N1, ela participava do comitê da H1N1. Nunca participou. Não era esse o tema dela”.

Continuar Lendo
P U B L I C I D A D E

AS MAIS LIDAS DA SEMANA