Conecte conosco

Política

João Henrique comprou briga com evangélicos

Publicado

em

MW Auto Peças 40 Anos

As dificuldades de relacionamento entre o prefeito João Henrique e a base aliada na Câmara Municipal de Salvador vão além da falta de “trato” do chefe da Casa Civil com os vereadores. Já há algum tempo foi evidenciado o desgaste do Thomé de Souza junto à bancada evangélica. Mas, só agora o Bocão News conseguiu descobrir a gênese do problema: ao contrário de anos anteriores, a prefeitura não auxiliou a realização da Marcha para Jesus, promovida por diversas igrejas evangélicas no último 2 de julho. A informação foi confirmada, nesta quarta (28), pelo vereador Isnard Araújo (PR), um dos representantes do segmento no Legislativo.

“De fato, isso aconteceu. Nas edições anteriores, a Saltur e outros órgãos do município deram apoio estrutural, financeiro e institucional. Entretanto, desta vez, nos deixaram na mão. Inclusive, a igreja Batista e a Renascer tiveram que arcar com despesas adicionais e estão com dificuldades até para pagar fornecedores e prestadores de serviços. Só para você ter ideia, este ano reunimos três mil igrejas e mais de um milhão de pessoas. Apesar da importância do evento, a Marcha está realmente ameaçada”.

Além da fonte citada, a bancada evangélica é composta por Pastor Luciano (PMN), Tia Eron (PRB) e Héber Santana (PSC). Apesar do número reduzido de integrantes, o grupo tem grande influência na Câmara e respaldo de diversos setores sociais.

Por conta do “incidente”, a expectativa é de que o governo não conte com o apoio do bloco parlamentar nas votações que estão por vir, com destaque para os projetos relacionados com a Copa do Mundo e a revisão da Lei de Ordenamento do Uso e Ocupação do Solo do Município (LOUS). “Não tenha dúvida que isso tudo vai gerar implicações políticas. Afinal, como está escrito na Bíblia, uma casa dividida não se sustentará”, profetizou Isnard.

O mais inusitado é que o prefeito João Henrique também é evangélico.

 

 

Fonte: bocaonews.com.br

Política

Uso político da Lei de Segurança Nacional contra oposição precisa ser explicado

Gilmar Mendes dá 5 dias para Ministério da Justiça de Bolsonaro explicar tudo.

Publicado

em

Do Brasil 247 – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes determinou nesta segunda-feira (5) que o Ministério da Justiça esclareça em até cinco dias o uso da Lei de Segurança Nacional (LSN) contra oposicionistas do governo Jair Bolsonaro. O ministro também cobrou explicações da da Polícia Civil do Rio, e da Polícia Militar do Distrito Federal e de Minas Gerais.  

O número de procedimentos abertos pela Polícia Federal com o objetivo de apurar supostos delitos contra a segurança nacional aumentou 285% nos dois primeiros anos do governo Bolsonaro, na comparação com o mesmo período das gestões Dilma Rousseff e Michel Temer. Entre 2015 e 2016 foram 20 inquéritos. O número subiu para 77 investigações na primeira metade da administração Bolsonaro.

“Com base na causa de pedir e nos pedidos formulados à inicial, determino que sejam solicitadas informações, no prazo de 5 (cinco) dias, às seguintes autoridades coatoras: a) Ministro da Justiça e Segurança Pública; b) Comandante Geral da Polícia Militar do Distrito Federal; c) Secretário da Polícia Civil do Rio de Janeiro”, determinou Gilmar. O conteúdo do documento foi publicado pelo jornal O Estado de S.Paulo. 

O ministro do STF atendeu a um habeas corpus movidos pela Defensoria Pública da União (DPU) e por um grupo de advogados. A DPU pediu ao Supremo a concessão de salvo conduto às pessoas que estiverem promovendo pacificamente manifestação, impedindo quaisquer medidas de coerção fundamentadas na Lei de Segurança Nacional. 

A Defensoria também pediu à Corte que determine às secretarias de segurança publica que as polícias não restrinjam, “de maneira alguma, a liberdade de mera manifestação da opinião política”.

Continuar Lendo

Política

É UM GÊNIO: ALEXANDRE GARCIA EXPLICA O QUE SIGNIFICA “DIA D E HORA H”, MENCIONADOS PELO MINISTRO PAZZUELO

Publicado

em

ALEXANDRE GARCIA EXPLICA O QUE SIGNIFICA “DIA D E HORA H”, MENCIONADOS PELO MINISTRO PAZZUELO

Do Tudo é Política – O jornalista Alexandre Garcia, mais uma vez se superou na sua capacidade de tentar explicar ações e frases ditas pelo presidente Bolsonaro e seus ministros.

Dessa vez, ele explicou, de forma catedrática, o que significa a frase dita pelo ministro da saúde, Eduardo Pazuello que reafirmou nesta segunda-feira (11/1), em visita a Manaus, que o país pode iniciar a vacinação em 20 de janeiro.

“Todos os estados receberão simultaneamente as vacinas, no mesmo dia. A vacina vai começar no dia D, na hora H, no Brasil. No primeiro dia que a autorização for feita, a partir do terceiro ou quarto dia estará nos estados e municípios para iniciar a vacinação. A prioridade já está dada, é o Brasil todo. Vamos fazer como exemplo para o mundo. Os grupos prioritários já estão distribuídos”, afirmou Eduardo Pazzuelo – Ministra da Saúde

Continuar Lendo

Política

Kátia Oliveira vai assumir vice-liderança do bloco partidário Democratas-MDB

Publicado

em

Kátia Oliveira vai assumir vice-liderança do bloco partidário Democratas-MDB

A deputada estadual Kátia Oliveira (MDB) vai assumir a vice-liderança do bloco partidário formado entre Democratas e MDB na Assessoria Legislativa da Bahia (ALBA). A formação do bloco, solicitada pelo deputado Sandro Régis (Democratas), líder da Oposição, foi autorizada pelo presidente do Legislativo baiano, Nelson Leal (PP), nesta quarta-feira (2).

O bloco parlamentar terá seis integrantes, sendo que o líder será o deputado Luciano Simões Filho. Kátia destaca que MDB e Democratas são parceiros que buscam trabalhar pela Bahia e, com a formação do bloco, terão esta relação ainda mais fortalecida. 

“Nós defendemos pautas em comum e temos um interesse acima de todos: o bem estar do povo da Bahia e o desenvolvimento do nosso estado. Nós já temos uma relação muito sólida e vamos cada vez mais fortalecê-la”, afirmou a deputada. 

Kátia lembra que, já nas eleições deste ano, a parceria entre as duas siglas ficou evidente. Em Feira de Santana e Vitória da Conquista, por exemplo, os prefeitos reeleitos do MDB (Colbert Martins e Herzem Gusmão) e  tiveram como vices integrantes do Democratas (Fernando de Fabinho e Sheila Lemos). Em Simões Filho, na reeleição de Dinha (MDB), o Democratas estava na coligação. Na capital, o MDB apoiou Bruno Reis, do Democratas.

Continuar Lendo

AS MAIS LIDAS DA SEMANA