Conecte conosco

MUNDO

NOAM CHOMSKY GRAVA VÍDEO EM APOIO A LULA

Publicado

em

noam chomsky
56 anos de emancipação
ILUMINAÇÃO DE LED – INSTITUCIONAL

Do Brasil 247 – O linguista e filósofo americano Noam Chomsky, um dos intelectuais mais reconhecidos de sua área de atuação, divulgou um vídeo em que defende a candidatuO linguista e filósofo americano Noam Chomsky, um dos intelectuais mais reconhecidos de sua área de atuação, divulgou um vídeo em que defende a candidatura do ex-presidente Lula à Presidência da República.

“Com tudo indicando que Lula é a figura mais popular do Brasil e muito provavelmente seria eleito em eleições justas, é no mínimo apropriado que ele seja permitido a se candidatar para que o povo brasileiro possa expressar seu próprio julgamento na candidatura de Lula”, diz Chomsky.

Confira abaixo a íntegra do vídeo:ra do ex-presidente Lula à Presidência da República.

Jornalista DRT/MTB nº 4584/BA - Atualmente é editor dos sites Tudo é política e Página Simões Filho. Tem formação em contabilidade e experiência como Instrutor profissional nas áreas de designer gráfico e programação para web.

Continuar Lendo
P U B L I C I D A D E
Clique aqui para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil

ONG ALEMÃ: BRASIL VIVE GRAVE CRISE DEMOCRÁTICA

Publicado

em

56 anos de emancipação
ILUMINAÇÃO DE LED – INSTITUCIONAL

As informações são da Deutsche Welle Brasil  – O Brasil entre os países onde a atuação da sociedade civil e o exercício das liberdades individuais – como os direitos de se manifestar ou de expressar sua opinião – é apenas “limitado”, em indicador divulgado nessa quarta-feira, 31, pela ONG Brot für die Welt, ligada à Igreja Evangélica da Alemanha (EKD).

O Atlas das Sociedades Civis, cuja escala tem cinco níveis e vai de “livre” a “fechado”, destaca que, “desde o controverso processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em agosto de 2016, esse país do G20, a nona maior economia do mundo, vive uma grave crise democrática”.

Segundo o relatório, “a participação ativa na política, por meio de movimentos sociais, dá cada vez mais lugar à criminalização de ativistas. O clima político é cada vez mais determinado por um conservadorismo religioso” que desrespeita os direitos de mulheres e homossexuais, “elevando as tensões e as diferenças sociais”.

Em protestos contra o governo, a violência aumenta cada vez mais, afirma o relatório. “Unidades especiais agem com gás lacrimogêneo, granadas de luz e som, balas de borracha e, em parte, munição letal contra os manifestantes”, o que, segundo o relatório, frequentemente resulta em pessoas feridas e até mesmo mortes.

O Brasil aparece no índice ao lado de outros 52 países onde a livre expressão das liberdades individuais é “limitada pelos governantes por meio de uma combinação de limitações legais e práticas”. Outros países da lista são Índia, Indonésia, Moçambique, Haiti e Israel.

Seis países foram analisados em detalhes: além do Brasil, são eles Quênia, Chade, Honduras, Filipinas e Azerbaijão. “Todos têm em comum que as sociedades civis são cada vez mais reprimidas”, afirmou Duchrow. Ela citou como exemplos o uso desproporcional de violência policial contra manifestantes e a promulgação de leis que restringem a influência da sociedade civil.

Brasil 247

Continuar Lendo

Brasil

Social-Democrata alemão denuncia manipulação contra Lula

Publicado

em

Niels-Annen,-um-dos-líderes-do-Partido-Social-Democrata-da-Alemanha
56 anos de emancipação
ILUMINAÇÃO DE LED – INSTITUCIONAL

Instrumentalização do judiciário para fins políticos

Do Internationale Politik und Gesellschaft (clique aqui para acessar a íntegra, em alemão) a análise de Niels Annen, um dos líderes do Partido Social-Democrata da Alemanha, sobre a condenação do Presidente Lula:

Instrumentalização da Justiça para interesses políticos

12 anos de prisão para o ex-Presidente Lula da Silva: Niels Annen critica o veredicto: “Motivado politicamente”

Em 24 de janeiro de 2018, a condenação em primeira instância por corrupção contra o ex-Presidente Lula da Silva foi mantida pelos juízes de segunda instância de Porto Alegre – os quais ainda ampliaram a sentença para 12 anos e 1 mês. Lula se vê diante não apenas do risco de ser preso, mas de não poder concorrer às eleições presidenciais de 2018.

A manutenção da condenação contra Lula por corrupção passiva é vista de diferentes formas no meio político: como um sucesso na luta contra a corrupção ou como um caso de judicialização da política. Como você avalia isso?

Annen: a investigação de casos de corrupção é de grande importância em uma Democracia. Ela não pode ser interrompida apenas por se tratar de políticos famosos. Mas a condenação precisa ser baseada em evidências válidas e não pode ser guiada por simpatia ou antipatia. Infelizmente, no caso da condenação de Lula, que agora foi até endurecida na segunda instância, há uma forte evidência de que ela não é o resultado de um processo justo que obedece à Lei. Em um clima de polarização política, o veredicto não parece estar baseado em qualquer crime, mas em uma onda de acusações contra a popularidade de Lula e do Partido dos Trabalhadores. Da perspectiva da Lei, um dos argumentos da acusação é particularmente preocupante: o próprio fato de que Lula, como Presidente, tinha influência nos rumos da Petrobras, é prova de que ele sabia dos casos de corrupção dentro da estatal e os aprovava. Eu duvido muito de que esse veredicto represente um sucesso na luta contra a corrupção.

(…)

Por Conversa Afiada

Continuar Lendo

MUNDO

ONG: Primeiro ano de Trump na presidência foi marcado pelo retrocesso nos direitos humanos

Publicado

em

56 anos de emancipação
ILUMINAÇÃO DE LED – INSTITUCIONAL

A ONG Human Rights Watch publicou nesta quinta-feira (18) seu Relatório Mundial 2018, no qual não poupou críticas à administração do presidente dos EUA, Donald Trump, em relação aos direitos humanos, sobretudo no que diz respeito às suas políticas para os refugiados e imigrantes.

Do Tudo é Política – De acordo com a organização, o primeiro ano da administração Trump foi marcado por um forte retrocesso nos esforços do governo para proteger e promover uma série de direitos humanos, implementando “políticas que prejudicaram os refugiados e imigrantes, minaram os direitos das mulheres e o acesso a importantes serviços de saúde”.

“A administração Trump promoveu políticas que colocam as pessoas vulneráveis em maior perigo e prejudicam a proteção constitucional para os direitos humanos de todos”, declarou a diretora do programa dos EUA na Human Rights Watch, Alison Parker.

“As pessoas mais propensas a sofrer abusos são muitas vezes menos capazes de defender seus direitos nos tribunais ou através do processo político e devem ser protegidas, não visadas por políticas abusivas”, frisou Parker.

O Relatório Mundial 2018 da Human Rights Watch analisou as práticas de direitos humanos em mais de 90 países. O documento destac que a administração norte-americana expandiu os procedimentos abusivos de deportação rápida e os processos criminais para crimes de imigração e passou a aumentar a detenção prolongada de imigrantes.

“Trump deve abandonar suas políticas abusivas e discriminatórias e respeitar os direitos de todos”, acrescentou Parker.

fonte: Sputnik

 

Continuar Lendo

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

Copyright © 2017 Página Simões Filho