Conecte conosco

Brasil

Onyx Lorenzoni sobre benefício de R$ 600: ‘Não adianta ir a bancos agora’

Ministro da Cidadania disse que, antes de chegar à população, projeto aprovado no Senado precisa ser autorizado por Bolsonaro

Publicado

em

Bahia.ba – Em em evento no Palácio do Planalto na segunda-feira (30), o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, abordou a operação do governo federal sobre o pagamento de R$ 600 a trabalhadores informais, microempreendedores individuais e desempregados.

O benefício foi aprovado no Senado, como uma das ações de combate aos efeitos da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Onyx destacou, contudo, que, antes de chegar à população, pagamento precisa ser autorizado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Por isso, “não adiantar ir aos bancos agora”.

O ministro reforçou que o repasse dos recursos, sendo aprovado, será feito a partir dos bancos federais, como Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Basa [Banco da Amazônia] e BNB [Banco do Nordeste]. Redes conectadas a esses braços financeiros, como lotéricas e Correios, também servirão de suporte.

Mesmo as pessoas que não fazem parte do Cadastro Único do Governo Federal serão contempladas, a partir de um sistema digital que está em fase de implementação.

“Eu quero fazer um pedido para que as pessoas não se dirijam neste momento nem às agências da Caixa Econômica Federal nem às agências do Banco do Brasil nem aos CRAS [Centros de Referência da Assistência Social]. O sistema ainda não está implantado”, disse.

Em em evento no Palácio do Planalto na segunda-feira (30), o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, abordou a operação do governo federal sobre o pagamento de R$ 600 a trabalhadores informais, microempreendedores individuais e desempregados.

O benefício foi aprovado no Senado, como uma das ações de combate aos efeitos da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Onyx destacou, contudo, que, antes de chegar à população, pagamento precisa ser autorizado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Por isso, “não adiantar ir aos bancos agora”.

O ministro reforçou que o repasse dos recursos, sendo aprovado, será feito a partir dos bancos federais, como Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Basa [Banco da Amazônia] e BNB [Banco do Nordeste]. Redes conectadas a esses braços financeiros, como lotéricas e Correios, também servirão de suporte.

Mesmo as pessoas que não fazem parte do Cadastro Único do Governo Federal serão contempladas, a partir de um sistema digital que está em fase de implementação.

“Eu quero fazer um pedido para que as pessoas não se dirijam neste momento nem às agências da Caixa Econômica Federal nem às agências do Banco do Brasil nem aos CRAS [Centros de Referência da Assistência Social]. O sistema ainda não está implantado”, disse.

P U B L I C I D A D E