Palestino é assassinado nos protestos na fronteira entre Israel e Faixa de Gaza - Página Simões Filho
Conecte conosco

MUNDO

Palestino é assassinado nos protestos na fronteira entre Israel e Faixa de Gaza

Publicado

em

Os protestos na fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza, que já duram seis semanas e que as Forças de Defesa de Israel tentaram dispersar através do uso de gás lacrimogêneo e fogo real, entraram na quarta fase.

O Ministério da Saúde da Faixa de Gaza informou que um jovem palestino que estava participando dos protestos na fronteira com Israel não resistiu aos ferimentos depois de ser baleado na cabeça.

O exército israelense declarou que está examinando o incidente.

Anteriormente, as Forças de Defesa de Israel informaram que eles jogaram panfletos sobre a Faixa de Gaza apelando aos palestinos para não participar dos confrontos, porque as Forças de Defesa israelenses continuarão defendendo fronteiras.

Milhares de manifestantes se reuniram na sexta-feira (20) em vários pontos ao longo da fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza, exigindo que refugiados palestinos possam permanecer em seus antigos territórios que agora pertencem a Israel.

Um grupo de advogados palestinos segura bandeiras nacionais durante um protesto contra a decisão de Donald Trump de reconhecer Jerusalém como capital do Estado judeu, em 13 de dezembro de 2017
A campanha de protesto de seis semanas, chamada a Grande Marcha do Retorno, foi organizada pelo movimento Hamas e começou em 30 de março. Segundo o Hamas, os palestinos estão exigindo de forma pacífica o direito de regressar às terras que, de acordo com eles, foram apreendidas por Israel ilegalmente, enquanto as autoridades israelenses declaram que os palestinos podem continuar apenas na Faixa de Gaza e na Margem Ocidental.Os protestos atingirão ápice no Dia da Nakba, em 15 de maio – data que marca a chamada “catástrofe” quando milhões de palestinos foram forçados a abandonar suas casas depois da criação do Estado de Israel.

SPUTNIK

P U B L I C I D A D E