Conecte conosco

Colunistas

OPINIÃO: QUAL O PROPÓSITO DA VILA NATALINA EM SIMÕES FILHO?

Publicado

em

Olha o soriso do papai noel

A Resposta deveria ser: proporcionar um ambiente festivo no período de final de ano, afim de aquecer as vendas do comércio local, o que indiretamente, aumenta a arrecadação municipal.

No entanto, a cada ano que passa, fica claro que, se em algum momento esse objetivo existiu, ele foi deixado de lado e hoje serve apenas para produzir fotos cheias de efeitos e brilho para as publicações do prefeito em suas redes sociais.

Há exatos vinte dias para Natal, boa parte da população já começou a realizar suas compras de final de ano. E essas compras foram, na sua maioria, feitas em cidades da Região Metropolitana de Salvador, principalmente na capital baiana.

Enquanto shoppings da capital, já estão enfeitados para o Natal há quase dois meses, Salvador já está com sua decoração montada desde o final do mês passado, a qual vem atraindo um grande público, todas as noites, para visitação.

Esse público consome desde a pipoca vendida na praça, até as lanchonetes e pizzarias nas imediações dos locais decorados, que ficam lotadas após as visitas.

É possível computar aumento nas vendas até em postos de gasolina, no uso dos taxis e de veículos por aplicativo.

Enfim, há reflexo direto na economia e esse é o objetivo de uma decoração natalina em uma cidade que tem uma gestão baseada em planejamento para o desenvolvimento.

Quando publicamos aqui, que a licitação para a vila natalina de 2019 em Simões Filho foi O R Ç A D A em um milhão e oitocentos mil, logo vieram os “defensores de plantão” alegar que a notícia era mentirosa e que este que vos escreve, estava C O N T R A a vila natalina, numa clara tentativa de confundir parte da população.

Entendem esses defensores e o prefeito Diógenes Tolentino, que basta mencionar ‘JESUS’ com um “autorizador” de todo e qualquer uso do dinheiro púbico, para que a população, ou parte dela, apoie tais gastos.

É preciso entender que a política pública vila natalina, tem que ter como principal objetivo, promover um ambiente festivo que possa impulsionar e aquecer o comercio local em todas as suas vertentes.

A licitação para a montagem do tal presépio, foi ganha por uma empresa que apresentou proposta de quase 600 mil reais.

Para sustentar a ideia de que a notícia do valor orçado para este ano era fake News, estão usando frases que dizem coisas do tipo: “não é um milhão e oitocentos mil, foi só 580 mil” . E dizem isto como se 580 mil fosse uns ‘trocados’, que se pode gastar facilmente com enfeites luminosos na Praça da Bíblia, que de Praça nada tem, e estruturas metálicas rodeadas de leds baratos que toda dona de casa compra para ornamentar suas árvores de natal.

É fácil, você, defensor da vila natalina, esbravejar ao ler essa opinião, e para justificar sua ira, dizer que nunca houve vila natalina em Simões Filho e por isso tem que ter e o prefeito está certo em gastar tanto dinheiro.

Enfim, devo esclarecer: não sou contra a Vila Natalina, ponto!

Mas precisamos questionar se os valores gastos pela prefeitura precisam ser tão vultuosos, com uma decoração que pouco ajudará o comércio local a vender mais, por conta do tempo que restante para o final de ano, mas que servirá, novamente, para promoção pessoal e eleitoreiral do prefeito Diógenes Tolentino.

E para não dizer que estou exagerando, em janeiro teremos uma nova empresa assumindo a administração do hospital municipal, e desde já com uma redução de quase oitocentos mil reais no contrato, com reflexo direto no hospital, anexo e postos de saúde, que já sofrem com falta de medicamentos.

Em breve, guardem isso, teremos os mesmos vereadores que hoje aplaudem um presépio em praça pública no valor de quase 600 mil reais, reclamarem do governo do estado por conta da regulação dos exames de alta complexidade que estão sendo realizados na Policlínica Regional.

Mas…

Vamos cantar ‘gingobel’ para ver ser esquecemos por alguns dias, aquilo que irá nos atormentar nos próximos meses.

Lembremos:

O dinheiro do povo precisa e deve ser administrado com a máxima seriedade possível.

Esperamos que valha a pena gastar mais de 500 mil reais numa decoração pífia, que não condiz com o tamanho de uma cidade que está entre as seis primeiras economias do estado.

Que o comércio tenha um respiro neste final de ano e que o povo de Simões Filho, possa ter um atendimento na saúde, melhor do que vem tendo até o momento.

Que milagres acontecerão para isso? Não sei.

O Papai Noel do presépio não traz nenhum presente ao povo de Simões Filho, seu saco é apenas parte de uma fantasia que já não enganam mais nem as criancinhas, que volta e meia puxam sua barba postiça.

Com a palavra, os defensores do farra com o dinheiro público.

Que comecem a dizer que é fake news…

Notaram o sorriso do Papai Noel, na foto acima?

ck quadrado