Conecte conosco

MUNDO

Venezuela eleva para 24 o número de mortos em explosão em refinaria

Publicado

em

Explosão foi provocada por um vazamento de gás.
Acidente ocorreu na refinaria de Amuay, maior do país.

O governo venezuelano informou neste sábado que já são 24 os mortos em uma explosão ocorrida na madrugada deste sábado na refinaria de Amuay, uma das três que formam o Centro de Refinamento de Paraguaná, o principal da Venezuela e um dos maiores do mundo.

Explosão foi provocada por um vazamento de gás. (Foto: Daniela Primera/AP)Explosão foi provocada por um vazamento de gás. (Foto: Daniela Primera/AP)

“Infelizmente 24 pessoas morreram, a maioria deles são soldados de nossa Guarda Nacional. Há quatro hospitalizados neste momento, dois transferidos para o estado Zulia e 50 pessoas, graças a Deus, já receberam alta”, disse a jornalistas o vice-presidente da Venezuela, Elías Jaua.

O vice-presidente lamentou as vítimas do acidente, provocado por um vazamento de gás que gerou uma nuvem que explodiu com uma grande onda expansiva que causou danos estruturais em várias casas dos arredores e em uma instalação da Guarda Nacional.

Acidente ocorreu na refinaria de Amuay, maior do país. (Foto: Daniela Primera/AP)Acidente ocorreu na refinaria de Amuay, maior do país. (Foto: Daniela Primera/AP)

Jaua explicou que foi instalado um posto de comando no local para “garantir o atendimento adequado aos feridos, aos familiares das vítimas e a toda a população em geral”.

O ministro do Petróleo e Mineração, Rafael Ramírez, assinalou que a explosão “causou danos severos ao destacamento 45 da Guarda Nacional”, um complexo militar com infraestrutura residencial e afetou uma parte da área de tanques.

A governadora se encontra no local da explosão na companhia do ministro de Petróleo e presidente da estatal petroleira PDVSA, Rafael Ramírez.

“Foi uma explosão na área de armazenamento, produto de um vazamento de gás que, pelas condições climáticas que reinavam, ficou acumulado na área e, diante de uma fonte de ignição, explodiu”, explicou Ramírez, depois de fazer um reconhecimento das instalações.

“Vamos investigar a origem disso, mas não podemos adiantar nenhuma hipótese. Agora, o que estamos fazendo é enfrentar a situação, atendendo aos feridos, retirando os escombros”, acrescentou Ramírez.

 

Fonte: G1.com.br